domingo, 29 de novembro de 2009

200 anos da Igreja Paroquial de Benfica




" Igreja de Nossa Senhora do Amparo, mais conhecida por igreja de Benfica, fachadas principal e lateral" (19?),
Paulo Guedes in Arquivo Municipal de Lisboa



[clicar para ampliar e ler o programa das comemorações]






Antes da existência da actual Igreja de Benfica (ou de Nossa Senhora do Amparo), inaugurada a 10 de Dezembro de 1809, existiam duas outras igrejas, situadas sensivelmente no mesmo sítio, constituindo o lugar de culto da Paróquia de Benfica.

As obras para a construção da Igreja de Nossa Senhora do Amparo, em Benfica, iniciaram-se a 29 de Agosto de 1750, com um projecto do Mestre João Frederico Ludovice, arquitecto do Convento de Mafra.
Os donativos para a realização desta obra foram reais e populares.

Possivelmente por falta de recursos, a obra parou em Dezembro de 1754; tendo, 1755, o Terramoto vindo pôr à prova a solidez da construção.

Só em 28 de Março de 1780 as obras recomeçaram, agora sob a direcção de mestre João Gomes. A construção do novo templo tornar-se-ia uma história muito acidentada, em parte certamente porque o projecto era dispendioso demais para uma população rural de umas 4000 pessoas. Só em Setembro de 1809 se faria o arranque final das obras, com os trabalhos concentrados na capela-mor.

Considerada como concluída no início de Dezembro de 1809, a nova igreja é, finalmente, sagrada com os ritos previstos nos livros litúrgicos. Estes começaram a 10 de Dezembro de 1809, sob a presidência de D. Frei Joaquim de Menezes e Ataíde, bispo de Meliapor, com licença do Partriarca-Eleito de Lisboa, D. António de S. José e Castro, até então bispo do Porto.

Mas, com a sagração da nova Igreja, não cessaram de todo as obras. Entre 1811 e 1813, procede-se ao arranjo do guarda-vento. Em 1840 ergue-se a torre do lado nascente, ficando a do lado poente por construir. Nela se montou um relógio em 1923.

A 1 de Outubro de 1890 a Irmandade do Santíssimo Sacramento, autorizou a construção de um coreto no adro da Igreja. Só em 1900 é que viria a ser construído. O coreto tinha a base em forma octogonal e a cobertura era de ferro, com aspas pintadas.
Em 1958, a sacristia do lado nascente é transformada em Capela Mortuária.

A Igreja de Nossa Senhora do Amparo apresenta uma fachada de três corpos e uma torre. A planta é de uma só nave, possuindo quatro capelas laterais com telas de Pedro Alexandrino.
O adro do lado nascente é enobrecido por um belo cruzeiro, que provinha da Igreja velha. O adro do lado poente cedeu parte do seu espaço, a norte e poente, para a construção do Centro Paroquial, entre 1959 e 1964.



Bibliografia consultada:

Website da Paróquia de Benfica
.


"História da Arquitectura - Lugar de Benfica". Trabalho realizado por Jorge Marcelo, Maria Margarida Lima e Maria Rita Dias Pinheiro (1989).







sábado, 28 de novembro de 2009

O Natal chegou a Benfica...








... E qual não foi o meu espanto esta manhã, quando ao alcançar a confluência da Estrada de Benfica com a Avenida do Uruguai, me deparei com esta moderna árvore de Natal.

A sua iluminação ainda não se encontra efectuada mas, pelo menos, este ano, teremos iluminações bem diferentes.





sexta-feira, 27 de novembro de 2009

A Livraria Ulmeiro nasceu em Dezembro há 40 anos!...







Em Dezembro, o espaço onde nasceu a Ulmeiro faz 40 anos!...

Para assinalar esta data, a Lúcia e o Zé Ribeiro brindam-nos, de 28/11/09 a 31/12/09, com uma Promoção Especial de 50% de desconto em milhares de livros, objectos, gravuras, postais, pinturas, revistas e jornais antigos, etc.

A descobrir na loja na Av. do Uruguai, Nº 13A - Tel. 21. 715 13 41 (ver mapa de localização), todos os dias das 10h às 19h30, incluindo sábados e domingos.

Vai e... "Traz outro amigo também"!...



domingo, 22 de novembro de 2009

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

A Tia Carolina



This is where wonder was born...





A Tia Carolina vivia na Av. Duque de Ávila e, noutros tempos, costumava levar a sua sobrinha a passear na Mata de Benfica.

Tudo isto se passou há muito, muito tempo atrás...

Hoje em dia, a Isabel vive nos EUA, e, como forma de homenagear a sua tia, publicou um lindissímo texto em inglês, onde as palavras correm de forma doce e tranquila... a forma como as boas memórias sempre afloram às nossas cabeças e corações.




quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Sugestões de Natal: Bazar dos Ronrons




Na freguesia de Benfica, à semelhança do que sucede noutros bairros, existem inúmeros animais abandonados ou nascidos na rua.

Fruto da negligência humana e da falta de responsabilização da nossa sociedade no que diz respeito aos direitos dos animais, para esses animais a única solução que a estrutura municipal concebe é a do seu encarceramento no Canil/Gatil Municipal de Lisboa e o abate ao fim de 8 dias (se não tiverem a sorte de, antes disso, serem adoptados).
Mas a solução para o flagelo dos animais de estimação abandonados em Portugal e dos animais nascidos na rua não passa, de modo algum (nem deveria passar!), pela tomada de medidas tão extremas, como tem sido apanágio até à data.

A solução passa, em primeiro lugar, pelo desenvolvimento gradual na sociedade portuguesa de uma consciência cívica para o facto dos animais não serem objectos, nem tão pouco seres inferiores ao Homem: se nos encontramos nesta Terra há milhares de anos, já deveríamos ter aprendido a respeitar o meio ambiente e os outros seres vivos com os quais partilhamos o planeta (infelizmente, a esse nível, o Homem parece ter regredido consideravelmente!).
Só através da promoção de uma educação cívica para o respeito para com os animais desde tenra idade se poderão desenvolver as bases para uma sociedade futura em que o Homem e todos os animais possam viver em harmonia.

Paralelamente, assume grande importância o controle populacional dos animais de rua, através das esterilizações, de modo a reduzir o número de animais errantes.




[clicar na imagem para ampliar]




Em Abril de 2007, entrei pela primeira vez no Canil/Gatil Municipal de Lisboa, local que, até essa data, desconhecia.
Passado um ano sobre essa data, aí voltei de novo a ter que entrar, devido à queixa que uma vizinha efectuou, por se sentir incomodada com os gatos que viviam nuns quintais do bairro onde moro... tendo, assim, enviado para o abate certo 7 gatos e as suas crias (muito possivelmente, sem saber o que se passa no local para onde os mandava, porque é sempre mais fácil não termos consciência da repercussão dos nossos actos, quando cometemos atrocidades!).

Desde que entrei pela primeira vez no Canil/Gatil Municipal de Lisboa, muita coisa mudou na minha vida!...
É sempre muito mais fácil prosseguirmos as nossas vidazinhas quotidianas sem termos conhecimento daquele tipo de situações que nos fazem sofrer.
Quando passamos a ter conhecimento das mesmas, podemos optar por duas posturas: - continuar a ignorar aquilo que sabemos que nos vai fazer sofrer; - tentar, de certa forma, no que está ao nosso alcance (mesmo que seja pouco), contribuir para que as mentalidades mudem.

Foi desta forma que surgiu um outro projecto em que tenho colaborado, o "Bazar dos Ronrons".
Através deste projecto, temos empreendido os seguintes objectivos:

- Continuar a alimentar, castrar/esterilizar e acompanhar em termos de saúde 2 colónias de gatos de rua na freguesia de Benfica;

- Promover a divulgação de gatos (de algumas destas colónias e de outras) que se encontrem para adopção, tentando fomentar adopções responsáveis;

- Sensibilizar as autoridades competentes para a mudança de estratégias de funcionamento dos Canis/Gatis Municipais, com base no respeito pela dignidade dos animais;

- Promover a divulgação e sensibilização da opinião pública em geral para os direitos dos animais, com especial enfoque nos gatos.


Porque esta iniciativa da sociedade civil tem decorrido em Benfica e, também, é digna de menção num blog onde a nossa freguesia se encontra em destaque; deixo-vos hoje este apelo com algumas sugestões de prendas natalícias, que nos podem auxiliar a continuarmos a desenvolver o trabalho no "Bazar dos Ronrons".

Muito obrigada!







terça-feira, 17 de novembro de 2009

"Cemitério de Pianos"




Numa Lisboa sem tempo, entre Benfica e o centro, nascem, vivem, sonham, amam, casam, trabalham e morrem as personagens deste livro.
No ventre de uma oficina de carpintaria aninha-se o cemitério de pianos, um espaço que alberga pianos "mortos" cujas peças vão dar vida a novos pianos. Instrumentos cujo mecanismo, à semelhança dos seres que os rodeiam, não está morto, encontrando-se antes suspenso entre vidas.

Cemitério de pianos é o quarto romance de José Luís Peixoto lançado em Portugal em Outubro de 2007, baseada na história real do atleta Francisco Lázaro.

A obra retrata uma familia de Benfica e aborda a morte não apenas como um fim, mas, sobretudo, como continuidade através da herança deixada em vida. A morte como destino irremediável da vida e o surgimento de uma nova vida após a morte... num ciclo que se repete ininterruptamente.




Imagem disponível in Quetzal Editores




A Margarida enviou-nos hoje um e-mail, informando que tinha utilizado uma das nossas fotografias, num artigo que escrevera... E, assim, descobrimos um excelente blog sobre livros.






domingo, 15 de novembro de 2009

Os Avós Directores




Depois do recente reencontro familiar que o nosso blog proporcionou, foi com grande satisfação que hoje verificámos o comentário que Valentim Alexandre, neto de Alfredo Franco (ex-Director da antiga Sociedade Filarmónica Euterpe de Benfica e director do jornal "A Filarmónica"), nos deixou a propósito deste outro post.





"Jornal 'A Filarmónica', de 19/04/1914 e de 13/04/1915"


Digitalização cedida por Pedro Macieira,
in Arquivo de Eugénio Germano Baptista

[clicar na imagem para a ampliar]




Entretanto, o nosso leitor (e grande "contribuinte" deste blog) Pedro Macieira, enviou-nos esta manhã um e-mail, onde nos contextualiza esta hereditariedade:



"(...) Achei muito interessante o comentário deixado pelo neto de Alfredo Franco, ex-Director da antiga Sociedade Filarmónica Euterpe de Benfica e ele também director do jornal "A Filarmónica" como o meu avô, em datas diferentes, e também ambos músicos da banda.

Envio
(...) os cabeçalhos do jornal "A Filarmónica", com os os dois avós, como directores.

Envio também uma foto de uma equipa de futebol não datada, do "Futebol de Bemfica", e que tenho ideia que terá sido uma secção desportiva da Euterpe de Benfica, ou pelo menos uma extensão.

Nesta foto de boina e em pé está o me
u avô - tenho pena de não ter mais dados sobre a foto - a data será nos inícios de 1900.

Existe uma nota publicada na "A Razão" de 1 de Dezembro de 1915 em que o director é o Alfredo Franco e secretário de redacção é o meu avô que é mencionado o tema "Futebol de Bemfica", que passo a transcrever:


"Consta-nos que alguns dos antigo elementos do saudoso Futebol de Bemfica, pensam em reorganizar-se com o mesmo título e para os mesmos fins. É uma idéa que merece todo o aplauso e auxilio e estamos certos de que ela será simpatica a quantos pelo Futebol traballharam.

E, se o nosso prestimo de alguma coisa servir, ele aí está condicionalmente."

(...)

O seu blogue, já estar a dar alguns resultados na pesquisa do legado da Euterpe de Benfica, poderão agora aparecer mais netos...


Um abraço
,
Pedro Macieira"





"Futebol de Bemfica" (cerca de 1900)

Digitalização cedida por Pedro Macieira,
in Arquivo de Eugénio Germano Baptista




Gostaríamos, assim, de aqui deixar o repto ao Valentim Alexandre, neto de Alfredo Franco, para nos enviar mais informações que considere pertinentes quer para a busca do legado da Sociedade Filarmónica Euterpe de Benfica, quer para o âmbito do trabalho de investigação que desenvolvemos no "Retalhos de Bem-Fica".

Muito obrigada!







sábado, 14 de novembro de 2009

Símbolos Heráldicos - Freguesia de Benfica




Aprovada pela Comissão de Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses, em 23 de Dezembro de 2004, nos termos da Lei nº 53/91, de 7 de Agosto, a ordenação heráldica do brasão, bandeira e selo da Freguesia de Benfica foi estabelecida pela Assembleia de Freguesia de Benfica em sessão de 27 de Abril de 2005, por proposta da Junta, publicada no Diário da República em 13 de Maio de 2005.

Eis a sua descrição e simbologia:





Escudo: de Ouro
Coroa Mural: de prata de três torres
Listel: Branco, com a legenda: "BENFICA - LISBOA"
Bandeira: Azul. Cordão e borlas de ouro e azul. Haste e lança de ouro
Motivos: Coroa Mariana e Pinheiros





A Coroa Mariana representa o Orago da Freguesia: Nossa Senhora do Amparo, Padroeira e Rainha de Benfica.

A primeira Junta de Freguesia de Benfica foi criada em 1836, sob esse secular Orago, e presidida pelo Prior Joaquim da Lapa Monteiro.




Os pinheiros representam o Parque Florestal do Monsanto (2/3 do parque são território de Benfica) e toda a beleza natural que, desde sempre, foi apanágio desta freguesia.




Este é o logótipo que a Junta de Freguesia de Benfica tem utilizado nos últimos anos, claramente inspirado nas Portas de Benfica e no Parque de Monsanto.




Adaptação do texto e imagens disponíveis in "Benfica - A nossa Junta: Instalações, Serviços e Equipamentos", Edição Especial da Revista "Benfica Viva". Lisboa: Junta de Freguesia de Benfica, Julho 2005.





sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Depois de Roma...









O motivo da minha ausência nestes últimos dias, por aqui o partilho convosco, meio ao jeito de testemunho fotográfico...

Apesar de tanta "riqueza", Roma é muito parecida com a nossa Lisboa (em particular pelos motivos mais negativos, face à elevada quantidade de sem-abrigo a dormirem nas ruas e de pedintes por todo o lado).




sábado, 7 de novembro de 2009

4ª Feira de Artesanato da Escola Pedro de Santarém







No seguimento das iniciativas anteriores, a Associação de Pais da Escola Padre Álvaro Proença organiza este sábado, entre as 10h e as 17h, mais uma Feira de Artesanato na Escola Pedro de Santarém.

Nesta Feira vai ser feita uma recolha de alimentos para crianças carenciadas da Escola Álvaro Proença, pelo que todos os donativos são bem vindos e apreciados.



Datas das próximas feiras (até ao final do ano):

12 Dezembro – Sábado - Feira de Natal
9 Janeiro – Sábado
6 Fevereiro - Sábado
6 Março - Sábado
27 Março - Sábado - Feira da Páscoa
1 Maio - Sábado
5 Junho - Sábado





sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Reencontro Familiar




Há alguns dias atrás, recebemos um simpático e-mail, cujo conteúdo passamos a transcrever:


"Boa noite,

O meu nome e João (...) de Matos e moro na Amadora.
Após ter lido o vosso blog Retalhos de Benfica emocionei me bastante ao ler o nome de alguém da minha familia que julgava desaparecido para sempre.
Sei que vos vai parcer estranho mas gostava de vos pedir o e-mail do Sr. Jorge Benjamim Gomes Resende, para poder reatar alguns laços de familia perdidos.
Desde já agradeço a atenção e espero que atendam o meu pedido.
Obrigado e a continuaçao de boa escrita na internet.

Comprimentos,
João (...) de Matos"



Após contacto com o Sr. Jorge Resende, obtivemos confirmação do próprio que o autor deste e-mail era um jovem neto de uma sua prima, e que, brevemente, iriam entrar em contacto um com o outro.

Ficamos muito contentes de saber que a nossa rubrica "Gente de Benfica" permitiu, assim, que dois familiares distantes se encontrassem!



quinta-feira, 5 de novembro de 2009

"A Razão"




Do espólio de Eugénio Germano Baptista, recebemos hoje do seu neto (Pedro Macieira) a primeira página do Jornal "A Razão" de 25 de Dezembro de 1915, no qual o seu avô materno era Secretário da Redacção.





"Jornal 'A Razão', de 25 de Dezembro de 1915"

Digitalizações cedidas por
Pedro Macieira,
in Arquivo de Eugénio Germano Baptista

[clicar nas imagens para as ampliar]





Num editorial de Alfredo Franco, intitulado "Falando claro", encontramos um excelente relato da época que, nessa altura, se vivia em Benfica.

Um outro artigo de relevo, com um texto sobre Francisco Lázaro, o maratonista português, que viveu em Benfica, e morreu em plena maratona nos Jogos Olimpicos de Estolcolmo em 1912.






"Jornal 'Os Sports Ilustrados', de 20 de Julho de 1912"

Digitalizações cedidas por
Pedro Macieira,
in Arquivo de Eugénio Germano Baptista

[clicar nas imagens para as ampliar]






Curiosamente, como nos diz Pedro Macieira, "junto estava guardado o jornal "Os Sports Ilustrados" de 20 de Julho de 1912 em que na primeira página dava a notícia".


Muito obrigada, mais uma vez, ao Pedro Macieira, pelo seu auxílio na disponibilização dos documentos do seu avô, com grande interesse e pertinência para este blog!




terça-feira, 3 de novembro de 2009

Em busca de... - IV




Recebemos recentemente um e-mail do Pedro Macieira, neto de Eugénio Germano Baptista (músico e director do jornal da Sociedade Filarmónica Euterpe de Benfica e de vários outros jornais da freguesia, como por exemplo "O Imparcial", que existia em 1915), onde nos foi solicitado auxílio na tentativa de localização do legado desta Sociedade.





"A Banda da Euterpe de Benfica em 1911"

Arquivo fotográfico de Eugénio Germano Baptista -(disponível no blog "
Rio das Maçãs")




A Banda da Sociedade Filarmónica Euterpe de Benfica, que costumava animar todos os eventos da freguesia, foi fundada em 1859.

Em 1889 a banda foi transformada em fanfarra, e em 1891, por influência de alguns sócios executantes, foi novamente reorganizada em banda.

Em 1914, a sede social desta Sociedade Filarmónica estava localizada no Nº 130 da Rua Cláudio Nunes.




"Desfile da Banda em Benfica"

Fotografia não datada
Arquivo fotográfico de Eugénio Germano Baptista -(disponível no blog "Rio das Maçãs")





Uma vez que diversos outros leitores já nos questionaram também sobre o paradeiro desta Sociedade Filarmónica - tão celebrizada na freguesia de Benfica -, enquanto empreendemos uma pesquisa mais detalhada sobre esta questão, lançamos também aqui o repto aos nossos leitores para que, caso tenham mais informações sobre a Sociedade Filarmónica Euterpe de Benfica, nos façam chegar os seus comentários por e-mail para palavraseimagens@gmail.com.

Muito obrigada!