quarta-feira, 31 de março de 2010

Sessão Pública, Audiência de Munícipes




Fotografias e Arte Gráfica de Alexandra Carvalho



Estivemos esta noite presentes na audiência de munícipes da Reunião que ocorreu na Câmara Municipal de Lisboa, com vista a apresentar o caso da Vila Ana e da Vila Ventura.



Ler aqui a comunicação apresentada pelo Movimento de Cidadãos pela preservação da Vila Ana e da Vila Ventura.







segunda-feira, 29 de março de 2010

domingo, 28 de março de 2010

Clube de Patchwork



Quando iniciei este blog, uma das tarefas mais prementes foi, sem dúvida alguma, o escolher de um nome!...

Não foi nada de muito poético ou intuitivo. Acontece, isso sim, que, muito perto da data em que este blog foi criado, tinha comprado uma manta de retalhos (ou "patchwork", como lhe chamam em termos técnicos), numa loja de que gosto muito... o que me viria a influenciar sobejamente para o nome "Retalhos de Bem-Fica".

Nome esse que, actualmente, cada vez mais, me faz todo o sentido e de onde consigo sempre retirar muita poesia...
"Retalhos" de Benfica são os pequenos pedaços do Passado (pessoal ou não) que aqui vamos compilando e nos ajudam a ter uma visão mais global daquilo que foi, anteriormente, a nossa freguesia...
"Retalhos" são as diversas histórias de vida pessoais ou as actividades e eventos, que aqui vêm chegando através dos vossos comentários, textos e fotos...
E todos estes "Retalhos" nos ajudam, no final, a captarmos o verdadeiro espírito daquilo que deveria ser a vida em comunidade, seja numa pequena rua, na nossa freguesia ou na própria cidade de Lisboa.

Tudo isto a propósito do post que hoje aqui vos deixo, e daquilo que me veio à cabeça, quando, ao fim da tarde, fui ter com duas senhoras do Clube de Patchwork da UNISBEN, para lhe entregar uns tecidos (que, fruto das próprias vivências comunitárias, uma terceira pessoa lhes enviara através de mim).





Fotografias de UNISBEN




O Clube de Patchwork é uma das inúmeras actividades que a Universidade Intergeracional de Benfica - UNISBEN disponibiliza aos seus associados.

O Clube fez, recentemente, um mês e, dada a rápida aceitação que teve por parte da comunidade escolar da Unisben, foi criado um blog, para poderem partilhar a sua caminhada de aprendizagem nesta técnica.
O objectivo do blog do Clube de Patchwork é, não só divulgarem o Clube, mas, também, a Universidade e a comunidade em que se insere.

O grupo de alunas é muito motivado e, inclusivamente, já ofereceram à Universidade uma máquina de costura, que será uma grande mais valia para as aulas. Existem também diversos fãs e apoiantes, que têm doado tecidos e divulgado o clube.

As inscrições no Clube de Patchwork estão abertas a todos (inclusivamente, a elementos do sexo masculino).


Mais informações em:

http://clubedepatchwork.blogspot.com/


UNISBEN

Rua Dr. José Baptista de Sousa
1500 - 244 LISBOA

Tel. 21. 714 53 64
E-mail -
stimuli@stimuli.pt

[ver mapa de localização]






sábado, 27 de março de 2010

"Benfica pede obras para salvar Vilas antigas"




[clicar para ampliar]




Notícia que saiu na edição de hoje (27/03/10) do "Diário de Notícias" sobre a Vila Ana e a Vila Ventura (versão online disponível aqui).

Ficou um pouco aquém das nossas expectativas (sobretudo quando lhes demos o "exclusivo" e bastante informação mais alargada sobre o assunto), mas já sabemos quais as prioridades actuais e como funcionam os mass medias... e sempre é melhor do que nada! :)

Muito obrigada a todos aqueles que tornaram esta notícia possível: Liliana & Javier, Fernando T., António N., Nuno S., Daniel Lam e Steven Governo.





quinta-feira, 25 de março de 2010

INVENTÁRIO DE IMÓVEIS




O Mário Pires é fotógrafo e, no início de Março, ofereceu a sua colaboração ao "Retalhos de Bem-Fica", por considerar, segundo as suas palavras, que este "blog está a criar uma comunidade de pessoas locais que, dessa forma, podem contribuir para uma Benfica melhor".

Essa colaboração delineou-se, inicialmente, através da rubrica "Pintando Benfica com Luz". E revelamos hoje, em primeiríssima mão, qual a grande surpresa fotográfica que envolverá a colaboração de todos os que nos lêem, sobre a qual já vos tínhamos falado aqui.

Outro dos contributos que o Mário nos sugeriu para este blog prende-se com o registo fotográfico de edifícios com interesse em Benfica (e, acrescento eu, em São Domingos de Benfica também - dado que ambas as freguesias constituíram uma só, há muitos anos atrás), como forma de inventariar edifícios que se podem vir a perder e sobre os quais não haverá qualquer testemunho.

Da sugestão à forma prática, o Mário elaborou este formulário que incluímos mais abaixo, onde todos os nossos leitores poderão deixar as suas sugestões de edifícios importantes para este nosso Inventário Fotográfico; comprometendo-se, do seu lado, o Mário a fotografar os mesmos e mais alguns que considere interessantes.

O sistema é, assim, muito simples, caros leitores!...
Bastará que, há medida que forem encontrando e/ou lembrando-se de edifícios com interesse, preencham este formulário e o submetam (clicando no botão em baixo, do lado esquerdo) com as vossas sugestões (por cada edifício terão que preencher um novo formulário).
Posteriormente, irão encontrar, na barra lateral direita deste blog, um ícone onde poderão clicar para aceder directamente a este formulário.

Em caso de dúvidas mais técnicas quanto à utilização deste formulário, dêem-nos uma "apitadela" para: palavraseimagens@gmail.com









O excelente (e importante) trabalho de recolha do património edificado que o Mário Pires tem vindo a desenvolver pode ir sendo apreciado, neste álbum online.


quarta-feira, 24 de março de 2010

A nossa Petição na E.S.E.L.




A nossa Causa em Benfica tem vindo, cada vez mais, a crescer!...

E o que se sente nas ruas, quando passamos perto das Vilas (ao ver as atitudes de alguns transeuntes), é que, induzidas pelo trabalho de divulgação que o nosso Movimento de Cidadãos tem levado a cabo, finalmente, as pessoas se "apropriaram" - sentem como suas - (d)as Vilas.
Ou seja, a Vila Ana e a Vila Ventura deixaram de ser, apenas, aqueles dois edifícios velhos e antigos, que intrigavam alguns, mas que permaneciam indiferentes a tantos outros; ao ser conhecida a sua história e origens, as Vilas foram valorizadas e passaram a ser incorporadas, pela grande maioria dos habitantes de Benfica, como constituindo (o seu) património histórico que desejam ver salvaguardado... como forma, também, de combater o estado urbano-selvagem em que a nossa freguesia foi, vilmente, transformada, ao longo das últimas décadas.

Apesar do referido acima, em relação ao sentimento positivo de "apropriação" das duas Vilas como património histórico da nossa freguesia e da cidade de Lisboa, gostaria, no entanto, de aqui deixar uma breve ressalva de que os 3 inquilinos que ainda residem na Vila Ana e na Vila Ventura têm o direito a ver a sua privacidade salvaguardada.

E é, assim, com muita alegria e emoção que assistimos, a cada dia que passa, à adesão de mais membros ao nosso Movimento de Cidadãos, assim como de comerciantes e associações locais que pretendem auxiliar-nos na divulgação da nossa petição!




Fotografia de a_nynhas
(disponível in "Panoramio")



A nossa Petição pela Preservação da Vila Ana e da Vila Ventura encontra-se, desde ontem, também, disponível, em formato papel, na Escola Superior de Educação de Lisboa (ESEL), à disposição de todos os alunos, professores, funcionários e todos os que aí se queiram dirigir para formalizar a sua assinatura.

Gostaríamos de aqui agradecer publicamente à Presidente do Conselho Directivo da ESEL (por ter acedido a que a petição aí circulasse), ao nosso leitor Nuno Ferreira - professor na ESEL (pelo entusiasmo nesta Causa e seu precioso auxílio nos contactos junto desta instituição), assim como ao Aurio Ribeiro e ao Fernando - serviços de segurança da ESEL (pelo incentivo que têm empreendido junto dos estudantes, com vista à recolha de assinaturas).

Por último, um agradecimento muito especial às alunas da Associação de Estudantes (AE), as quais deram um contributo importante para as 150 assinaturas recolhidas ontem (aquando da votação para as eleições da AE, em que todos os votantes foram, também, convidados a assinar a nossa petição).






terça-feira, 23 de março de 2010

77 anos de reorganização, mas muitos mais de vida!



(por Domingos Estanislau,
publicado originalmente em "Dicas do Lau")




Faz hoje precisamente 77 anos que o Grupo Futebol Benfica se reorganizava para continuar um trabalho que já tinha alguns anos para trás.
Somos, de facto, um clube centenário. E as provas aí estão. Tem o valor que tem, mas no ano em que se comemora os 100 anos da implantação da República, é, também, de destacar a nossa longínqua longevidade.



Fotografia de Clube Futebol Benfica



Esta taça de 1910, referente ao campeonato de 4ªs categorias da AFL constitui prova inequívoca da nossa longevidade. A Associação de Lisboa, a primeira do país, em antiguidade, comemora agora 100 anos. Quer dizer que o Clube começou logo a competir quando o futebol em Portugal se organizou definitivamente.

Mas a provar um passado ainda mais longínquo aqui está também uma fotografia de 1900. Publicada num dos jornais da Euterpe de Benfica, em 1912, o que prova que estamos para além de 1910.




Fotografia gentilmente cedida por Pedro Macieira, neto do Sr. Eugénio Germando Batista (que se apresenta de boina na fotografia e era, por sua vez, dirigente também da Filarmónica Euterpe de Benfica)




Não resisto a um texto extraido desse jornal publicado no dia 13 de Abril de 1912:

"...sobre o Foot-ball Bemfica, fundado numa época em que os amadores sportivos se contavam por dezenas, num meio hostil, lutando com mais vontade, ele conseguiu firmar-se. Composto na sua quasi totalidade por sócios da Sociedade Euterpe, servindo-se , ao mesmo tempo, e enquanto não tivesse sede própria das salas da Sociedade, era legalisar uma situação, simplesmente, porquanto sempre tivera essas regalias".


Não posso deixar de evocar, neste dia, aqueles que renovando o Clube continuaram uma obra que já vinha de trás e que tem tido um papel importante até aos dias de hoje.



PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA GERAL
Francisco Domingos Pires

VICE PRESIDENTE
José Nunes Gouveia

1º SECRETÁRIO
Ramiro Paulo de Oliveira

2º SECRETÁRIO
Artur Alves

CONSELHO FISCAL

PRESIDENTE
António Joaquim Félix

RELATOR
Ramiro Paulo de Oliveira

SECRETÁRIO
Henrique Marques dos Santos

DIRECÇÃO

PRESIDENTE
Contra-Almirante José Miguéis

VICE PRESIDENTE
João Simões da Silva

SECRETÁRIO GERAL
Artur Ferreira Gomes

SECRETÁRIO ADJUNTO
António Antunes Perna

TESOUREIRO
Alberto Caratão Marques

VOGAIS
João Melo
Domingos José Ferreira
Mário Leão
Fernando Pinto Adrião






segunda-feira, 22 de março de 2010

Magistério Primário de Lisboa (Benfica) - Antigos Alunos




Escola do Magistério fechada e abandonada, antes da sua recuperação (anos 80)
Fotografia de
Mário Pires



A todos os alunos que frequentaram a escolaridade primária na Escola do Magistério, bem como a professores e funcionários que aí tenham trabalhado, aqui deixamos hoje a nota que foi criado recentemente um grupo no Facebook, para partilha de memórias, intitulado "Magistério Primário de Lisboa (Benfica) - Antigos Alunos".







1º Festival de Jazz em Benfica




Fotografia de Suzana Campar



Realizou-se, de 18 a 21 de Março, o 1º "Junta-te ao Jazz, Benfica", evento que nasceu a partir da ideia de criar, no Auditório Carlos Paredes, um novo espaço ligado à música, em especial ao Jazz.

Aqui deixamos o relato e fotografias de uma leitora que participou no primeiro dia deste festival... com a ressalva de que, talvez, fosse benéfico apostar numa divulgação mais alargada deste tipo de novos eventos culturais, que começam a animar a nossa freguesia.




"Olá Xana,

Em primeiro lugar, como ex-moradora e visitante frequente da freguesia, tenho que começar por um obrigada pelo teu trabalho constante de divulgação do que se passa, como é e como era Benfica :)


Fotografia de Suzana Campar



Quanto ao programa em si, faz todo o sentido que mais como este sejam organizados e divulgados; jazz não é o meu mundo habitual, mas experiências diferentes enriquecem-nos o espírito!

Estava pouca gente no dia em que fomos, talvez os eventos precisassem de mais divulgação por parte da organização, mas pelo menos algumas pessoas passaram de certeza uma noite diferente.




Fotografia de Suzana Campar



(...) seguem umas quantas (pouquinhas) fotos que eu e o teu mano tirámos do evento e do folheto (que tenho comigo, se precisares dele); não ficaram nada do outro mundo, mas espero que te sejam úteis!

Beijinhos e continua!
Suzana"






domingo, 21 de março de 2010

Saudações à Primavera




Fotografia de Alexandra Carvalho



"Primavera



As heras de outras eras água pedra

E passa devagar memória antiga

Com brisa madressilva e primavera

E o desejo da jovem noite nua

Música passando pelas veias

E a sombra da folhagem nas paredes

Descalço o passo sobre os musgos verdes

E a noite transparente e distraída

Com seu sabor de rosa densa e breve

Onde me lembro amor de ter morrido

- Sangue feroz do tempo possuído"


Sophia de Mello Breyner Andresen, in "Livro Sexto" (1962)





Vídeo de Alexandra Carvalho



Aproveitamos para informar todos os nossos leitores que o "Retalhos de Bem-Fica", a partir de hoje, passou a estar online no YouTube; pelo que, caso nos queiram enviar vídeos relativos às freguesias de Benfica e de São Domingos de Benfica, os mesmos serão depois disponibilizados no nosso canal.





sábado, 20 de março de 2010

Os “Sabores da Caça” na STIMULI/UNISBEN



(por Fausto Castelhano)



No acolhedor espaço da Associação de Artes e Cultura de Lisboa - STIMULI/UNISBEN, realizou-se no dia 18 de Março de 2010 mais um excelente convívio onde prevaleceu a sã camaradagem, a boa disposição e a amizade entre todos os convivas.



Imagem de UNISBEN



Sob o lema “Sabores da Caça”, a sessão abriu com uma palestra (no pavilhão multiusos) orientada pela presidente da STIMULI, Prof. Marília Abel e onde foi abordada a temática da caça ao longo dos tempos, acompanhada com a projecção de excelentes imagens alusivas à matéria em questão.



Palestra sobre a Caça
Fotografia de Fausto Castelhano (2010)



Seguidamente, foram servidas diversas iguarias magnificamente confeccionadas pelo nosso amigo Mestre João, cozinheiro de alto gabarito e que foi muitíssimo bem secundado pelo Sr. Eliseu.



O menú era bastante convidativo...
(Imagem de UNISBEN)



E a tal prova de caça, como estava anunciada na respectiva ementa, afinal de contas, transmudou-se num excelente e lauto jantar que surpreendeu, agradavelmente, todos os presentes que se apresentaram à mesa da comezaina.



O Sr. João (cozinheiro de alto gabarito) e as alheiras de caça à saída do forno…Meus amigos, uma delícia…
Fotografia de Fausto Castelhano (2010)



Abertura com uma canja de pato bravo, deliciosa, a fazer lastro! Depois, alheiras de caça no forno ou na brasa… à escolha… magníficas! Então, após este intróito, seguiu-se todo o resto…Comeu-se até dizer chega! E, claro está, regado com uma bela vinhaça da lavra do nosso amigo António Oliveira.



O Sr. António Oliveira na “prova”…
Fotografia de Fausto Castelhano (2010)


Caça variada (coelho bravo, perdiz, pombo bravo) com castanhas e cogumelos
Fotografia de Fausto Castelhano (2010)


Lebre com feijão e couve lombarda…Que coisa saborosa!
Fotografia de Fausto Castelhano (2010)


E, como se podia observar na descrição do menu, o repasto era de fazer crescer água na boca…Pudera!


Os cozinheiros (Srs. João e Eliseu), elementos da Comissão de Alunos e colaboradores
Fotografia de Fausto Castelhano (2010)



Como sempre, os elementos da Comissão de Alunos e outros amigos que com eles colaboraram, tiveram um papel preponderante para o bom êxito de mais esta bela iniciativa dos corpos directivos da STIMULI/UNISBEN.



Um aspecto da sala de jantar…comeu-se até fartar!
Fotografia de Fausto Castelhano (2010)


Vamos lá saborear o petisco…
Fotografia de Fausto Castelhano (2010)



Uma menção muito especial ao vice-presidente António Oliveira, pela generosidade e altruísmo com que nos presenteou com as excepcionais peça de caça que eram, de facto, de “cinco estrelas”. Além do mais, António Oliveira é um emérito caçador da Freguesia de Benfica e onde, seguramente, pontaria certeira e dedo lesto no gatilho não lhe devem faltar. Olho atento no ponto de mira e…já está! É tiro e queda…



António Oliveira, emérito caçador da Freguesia de Benfica e vice-presidente da STIMULI
Fotografia de Fausto Castelhano (2010)



E pronto! Mais uma belíssima iniciativa dos Corpos Sociais da Stimuli que estão, mais uma vez, de parabéns!
Outros eventos se seguirão nas mais variadas áreas, o que muito dignifica a Associação de Cultura e Artes de Lisboa – STIMULI/UNISBEN. Assim, esta Associação se vai afirmando, paulatinamente, no panorama cultural e social, não só da Freguesia de Benfica mas, também, da cidade de Lisboa.



Próxima iniciativas da STIMULI/UNISBEN:

Dia 21 de Março de 2010
Actuação da Tuna da STIMULI/UNISBEN na Quinta das Conchas, integrada na Festa da Primavera (Iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa)

Dia 23 de Março de 2010
Festejos da Festa da Primavera. Actuação do Coro, Danças e Cantares e Tuna da STIMULI/UNISBEN no espaço da Associação de Cultura e Artes de Lisboa (em Benfica).






sexta-feira, 19 de março de 2010

Pintando Benfica com Luz (2)




A construção desenfreada a que Benfica continuou a assistir, durante os anos 80... Vista pelo Mário Pires.




Do topo do mesmo morro, 2 fases da construção do edifício que hoje aloja o Banco Barclays e Santander, em frente ao Centro Comercial Fonte Nova (anos 80)

Fotografias de Mário Pires






quinta-feira, 18 de março de 2010

A Taça




Em honra de Carlos Manuel Rebelo de Sousa, sócio nº 30 do Clube Futebol Benfica (que chegou muito recentemente a este blog e já nos brindou com um testemunho inigualável num comentário a este outro post, o qual muito agradecemos!), e, também, do Presidente do Clube e de todos os seus sócios, amigos e simpatizantes...

Aqui fica hoje uma pequena surpresa...


Fotografia de Clube Futebol Benfica



"Um troféu que constitui um verdadeiro tesouro do Clube. Faz este ano 100 anos, pois é de 1910 e refere-se à conquista do campeonato de 4ªs categorias da Associação de Futebol de Lisboa (AFL).

Dava, nesse ano, a AFL os primeiros passos, era o início do futebol organizado em Portugal. A AFL faz este ano, também, 100 anos e foi a primeira associação de futebol a formar-se.

Este troféu, para além do valor desportivo significativo, como é evidente, tem certamente um grande valor material, pois é de prata.


Domingos Estanislau"





quarta-feira, 17 de março de 2010

terça-feira, 16 de março de 2010

A Petição na Cafetaria "O Moranguinho"







Fotografias de Tiago Ferreira




A Cafetaria "O Moranguinho", localizada na loja Nº 20 do Centro Comercial das Pedralvas já recolheu, desde sábado passado até hoje (em apenas 4 dias), as 87 assinaturas das dez folhas que compõem o formulário da nossa petição.

Muito agradecemos ao Tiago e à sua mãe pela ajuda que têm dado ao Movimento de Cidadãos pela Preservação da Vila Ana e da Vila Ventura!






Fotografias de Tiago Ferreira



Gostaríamos, ainda, de agradecer pela disponibilidade da Gerência do Centro Comercial das Pedralvas para expôr na entrada das suas instalações o nosso folheto de divulgação da Petição pela Preservação da Vila Ana e da Vila Ventura.



Relembramos a todos os leitores que, em Benfica, a Petição se encontra disponível para assinatura nos seguintes locais:


LIVRARTE (Av. do Uruguai, 13 A);

UNISBEN (Rua Dr. José Baptista de Sousa - antiga Oficina da Criança);

MODAS "COELHO" (Rua Cláudio Nunes, 17 A/B);

CLUBE FUTEBOL BENFICA (Rua Olivério Serpa);

CAFETARIA "MORANGUINHO" (Centro Comercial das Pedralvas, Loja Nº 20);

CENTRO PAROQUIAL DA
IGREJA DE NOSSA SENHORA DO AMPARO (Estrada de Benfica, no átrio do lado esquerdo da Igreja)


Estando, também, a nossa petição disponível online aqui.





segunda-feira, 15 de março de 2010

Pintando Benfica com Luz (1)




O conceito de "blog comunitário" é o de um espaço colectivo de partilha, onde todos e cada um possam expor e/ou divulgar o que consideram de interesse para a prossecução dos objectivos desse mesmo grupo.

No nosso caso, o que nos une é a memória colectiva, ao longo dos tempos, da freguesia de Benfica.

Cada vez mais, o "Retalhos de Bem-Fica" se tem vindo a afirmar como um "blog comunitário" da/na/para a freguesia de Benfica, não só pela sua intervenção mais directa no que diz respeito à preservação do património histórico do nosso bairro, como também, e sobretudo, devido à adesão e participação activa que temos tido de inúmeros residentes e ex-residentes que contribuêm para aquilo em que este blog se transformou.

Nesse sentido, iniciamos hoje uma nova rubrica, a qual deriva de mais uma estreita colaboração com um residente de Benfica.



Morro onde hoje se encontra construída a Escola Superior de Comunicação Social (fim dos anos 70)
Fotografia de Mário Pires



Escola do Magistério fechada e abandonada, antes da sua recuperação (anos 80)
Fotografia de
Mário Pires



O Mário Pires começou a seguir muito recentemente o nosso blog, mas já vive em Benfica há 49 anos. Segundo as suas próprias palavras, "gosto verdadeiramente desta freguesia, que infelizmente tem uma vida cultural muito reduzida".

O Mário é fotógrafo e ofereceu ao "Retalhos de Bem-Fica" a sua preciosa colaboração... a qual, como verão, muito em breve, se vai delinear por áreas muito interessantes e com a colaboração de todos os que nos lêem (mas deixemos aqui tudo isso em suspense, para ficarem mais curiosos).



Av. Gomes Pereira - taipal que existia entre a vivenda que hoje aloja um stand de carros e os prédios do fim da rua (Cervejaria "Edmundo")
Fotografia de
Mário Pires



O palacete que ocupava o nº 544 da Estrada de Benfica junto ao cruzamento da Av. Gomes Pereira com a Av. Uruguai. Nesta fase já entaipado, foi demolido pouco depois.
Fotografia de
Mário Pires



Deixamo-vos então hoje com as primeiras fotografias do arquivo do Mário Pires, apresentando-lhe, desde já, as boas-vindas ao "Retalhos de Bem-Fica".





domingo, 14 de março de 2010

PETIÇÃO: Novos pontos de assinatura em Benfica




O Tiago é o membro mais novo do nosso Movimento de Cidadãos pela Preservação da Vila Ana e da Vila Ventura.
Contactou-nos muito recentemente, através de um comentário deixado aqui no blog, questionando se poderia colocar o formulário da petição em formato papel na loja que os seus familiares possuem no Centro Comercial das Pedralvas, assim como auxiliar-nos na divulgação da nossa Causa.

O Tiago é o membro mais novo do nosso Movimento de Cidadãos... não só pela sua recente adesão ao mesmo, mas, também, devido a apenas ter 13 anos.

E merece o devido destaque no post que hoje aqui vos deixo, não só pela iniciativa que teve, como, e sobretudo, por ser tão jovem e já se preocupar com estas questões da preservação do nosso património histórico e arquitectónico - das duas Vilas por onde ele passa todos os dias e é "tão apaixonado", como me referiu a sua mãe ontem de manhã.
Quando nos deparamos, quase diariamente, com notícias e frases feitas sobre o actual estado de inércia e falta de participação cívica da juventude, não podíamos deixar de nos surpreender, maravilhar e dar os parabéns (à mãe do Tiago)!

A Petição pela Preservação da Vila Ana e da Vila Ventura, passou, assim, desde ontem, a estar também disponível para assinatura (física) no seguinte local:


CAFETARIA "MORANGUINHO"
- Centro Comercial das Pedralvas, Loja Nº 20


Entretanto, o Tiago informou-nos hoje que, apenas em 2 dias, já foram recolhidas mais de 40 assinaturas nesta Cafetaria!...



A nossa Causa está (mesmo) a crescer entre a população e comerciantes de Benfica!



Imagem de Google Earth

[clicar para ampliar e visualizar a distribuição geográfica dos locais, em Benfica, onde temos a circular a petição em formato papel. Assinalada a rosa a localização das Vilas]




Entretanto, depois de hoje de manhã ter sido recebida pelo Cónego José Traquina (a quem agradeço toda a atenção e disponibilidade manifestadas), aproveito para vos informar que a nossa petição se encontra, também, disponível para assinatura no:


CENTRO PAROQUIAL DA IGREJA DE NOSSA SENHORA DO AMPARO (Estrada de Benfica, no átrio do lado esquerdo da Igreja)




Muito obrigada a todas as pessoas (de Benfica e de outras freguesias ou regiões de Portugal) que já assinaram a petição a circular em Benfica ou a petição online!

Continuamos a necessitar de todo o auxílio que cada um de vocês nos possa dar na divulgação desta Luta!




sábado, 13 de março de 2010

Azinhagas (2)





Todos os direitos reservados @ Fausto Castelhano, "Retalhos de Bem-Fica" (2010)



Ler a 1ª parte aqui.




Antigos caminhos da Freguesia de Benfica


(por Fausto Castelhano)


Com este 2º e último apontamento terminamos a incursão às Azinhagas, antigas vias que, no seu todo ou em parte, integravam o território da Freguesia de Benfica.




Azinhaga da Fonte


Com o piso em “macadame”, era um dos principais itinerários de acesso a Carnide. Tinha o seu começo no Nº 458 da Estrada de Benfica, no mesmo local onde tem início a Avenida do Colégio Militar, e desembocava na Rua da Fonte (Largo da Luz) em Carnide, mesmo em frente à Igreja de Nossa Senhora da Luz e paredes meias com os edifícios do Colégio Militar.



Trecho da Azinhaga da Fonte (1960)
João H. Goulart, in Arquivo Municipal de Lisboa



A actual configuração da Avenida do Colégio Militar corresponde, sensivelmente, ao traçado da antiga Azinhaga da Fonte até à zona do Centro Comercial Colombo e do novo Estádio da Luz. Aí, a nova avenida deriva um pouco para a esquerda e vai terminar junto ao chamado Chafariz da Luz (Rua da Fonte).



Trecho da Azinhaga da Fonte (1960)
João H. Goulart, in Arquivo Municipal de Lisboa


Esta oportuna alteração na nova via, permitiu que a instituição Colégio Militar conseguisse alargar os seus domínios e conquistasse espaço onde, outrora, existia a parte final da Azinhaga da Fonte.
Tanto assim é que, foi necessário demolir o último edifício (do lado esquerdo) da Azinhaga o qual, fazia gaveto com a Rua da Fonte (em Carnide, claro está) como se pode observar na foto.


Prédio na esquina da Azinhaga da Fonte com a Rua da Fonte e que foi demolido para permitir que a Avenida do Colégio Militar se desviasse mais para a esquerda em relação ao traçado da Azinhaga da Fonte (1961)
Augusto de Jesus, in Arquivo Municipal de Lisboa


Ao longo da Azinhaga da Fonte e do lado esquerdo (no sentido Benfica-Carnide), existiam várias casas de habitação e quintas de várias dimensões e, entre estas e o murete desta via, corria uma pequena ribeira cujo volume de água, na época das chuvas, era bastante considerável. Este curso de água desaguava junto ao local onde está edificado o Centro Comercial Fonte Nova, na chamada Ribeira de Alcântara (o meu rio, que teimam, injustamente, em chamar de “caneiro”) o qual, atravessava a nossa freguesia desde a fronteira da Estrada Militar na Damaia/Venda Nova.



Chafariz da Rua da Fonte, em Carnide (1960)– Para lá do muro e dos edifícios em segundo plano e que foram demolidos, passava a Azinhaga da Fonte. Agora, nesse espaço, passa a Avenida do Colégio Militar. Do outro lado da Avenida, o complexo do Colégio Militar
Artur Goulart, in Arquivo Municipal de Lisboa



Era aí, na confluência desses cursos de água (junto ao Fonte Nova), que a nossa grande ribeira seguia o seu curso natural em direcção a Sete-Rios e, finalmente, através do Vale de Alcântara, desaguava em pleno rio Tejo.
Do lado direito da Azinhaga da Fonte existiam as seguintes quintas:
Quinta do Luís da Granja, nº 8
Quinta de Montalegre, nº 22 (a quinta onde nasci, com a Cascata Monumental de que muita gente fala mas…nunca a toparam).
Quinta dos Belgas ou de Santo António, nº 24 e 26
Quinta do Alves Martins ou de Santo António, nº 36
Do lado esquerdo:
Quinta da Granja de Baixo, nº 1 e 3
Quinta do Guimarães, nº 11 (Anexa à Quinta Grande)
Quinta do Conde de Carnide nº 13
Quinta das Flores, nº 27
Os números de 1 a 15 e 2 a 22 pertenciam à Freguesia de Benfica. Os números 17 a 24, pertenciam à Freguesia de Carnide.



Azinhaga da Fonte – As ruínas da Cascata da Quinta de Montalegre.
À direita, em segundo plano, um dos edifícios do Colégio Militar.
Foto de Fausto Castelhano (1985)


Pois bem, depois de ansiosas diligências entre matagais e arruinados barracões, conseguimos encontrar o que pretendíamos: o que sobrou da velha Azinhaga da Fonte estava ali, à nossa vista. A placa toponímica lá está, para que não haja engano possível e, além do mais, algumas dessas antigas habitações conseguem resistir e… estão habitadas.



A placa toponímica da Azinhaga da Fonte ainda lá está.
Foto de Fausto Castelhano (2010)


O pouco que resta da antiga Azinhaga da Fonte
Foto de Fausto Castelhano (2010)



Assim, e antes que arrasem, definitivamente, o pequeno troço da Azinhaga que ainda consegue subsistir, por um casualíssimo prodígio, tratámos de obter os respectivos registos fotográficos.
O que resta da antiga via está bloqueada entre a 2ª Circular (do lado de Benfica) e, da parte correspondente a Carnide, o troço existente termina entre algumas velhas habitações e altos muros que não conseguimos descortinar a quem pertencem. De qualquer modo, não tem saída.



Troço da Azinhaga da Fonte do lado de Carnide
Foto de Fausto Castelhano (2010)



Apesar do que nos foi dado observar, com muita curiosidade e deleite, tínhamos que nos apressar. Provavelmente, um dia voltaremos com mais vagar…Mas, a extraordinária odisseia não terminava ali…
Próximo investida: Rua dos Soeiros…



Azinhaga da Fonte do lado de Benfica – Ao fundo, o topo do Estádio do Sport Lisboa e Benfica
Foto de Fausto Castelhano (2010)





Rua dos Soeiros


A antiga Rua dos Soeiros começava no Nº 360 da Estrada de Benfica, no sítio da Cruz da Pedra, um pouco antes do Hospital da Cruz Vermelha (para quem vem de Benfica) e terminava no Nº 177 da Estrada da Luz. Assim, metemos os “cascos” p’rá Estrada da Luz, agora com prédios gigantescos e, mais ou menos defronte das chamadas “Torres de Lisboa”, lá estava a placa que nos assinalava a antiga Rua dos Soeiros. A velha casa de gaveto (da Estrada da Luz com a Rua dos Soeiros) onde vivia a D. Isaura (tia das minhas irmãs do primeiro matrimónio do meu pai), foi completamente arrasada, tal como tudo quanto por ali existia, casas, quintas e quintarolas. Por ali acima, dum lado e doutro da Rua dos Soeiros, procederam a uma radical alteração. Fiadas de enormes prédios e ausência de qualquer sentido estético, tipo gaiola, claro está...



Estrada Luz, 181. Esta casa fazia esquina com a Rua dos Soeiros (do lado direito). Nela vivia a Dª. Isaura, tia das minhas irmãs (do primeiro matrimónio do meu pai).
João H. Goulart (1967), in Arquivo Municipal de Lisboa



Ao cimo da rampa, quando a estrada curva à esquerda e onde existia um portão que dava entrada para a Quinta de Montalegre, a Rua dos Soeiros muda de nome. Assim, se vão perdendo, aos poucos, a memória desses lugares que me eram tão queridos.



Rua dos Soeiros - Quinta do Bensaúde
Foto de Fausto Castelhano (2010)



Então, aparece-nos a Rua de João de Freitas Branco a qual, abocanhou um bom pedação da Quinta de Montalegre porém, à esquerda, o velho itinerário estava lá, quase todo inteirinho todavia, crismado de Rua João Hogan. E lá estavam os velhos muros das quintas, a do Bensaúde, à esquerda e, à direita, apenas restaram as ruínas das Quintas de Montalegre e do Zé Antunes. A casa onde nasci (e os meus irmãos) já não existe, nem o poço, o grande tanque junto à horta…Nada!
Mais abaixo, no grande espaço da quinta de Montalegre (ou da Dª. Leonor) e defronte do Centro Comercial Colombo, o novo Estádio do Sport Lisboa e Benfica (a "Catedral"), inaugurado em 25 de Outubro de 2003. Este, veio substituir o antigo Estádio da Luz o qual, tinha sido aberto ao público no dia 1 de Dezembro de 1954.



Entrada da Quinta com a inscrição de 1787 e um belíssimo painel de azulejos
Foto de Fausto Castelhano (2010)



Um pouco mais à frente, o infalível camartelo encarregou-se da avassaladora missão e…arrasou tudo. Estão a florescer, como cogumelos, urbanizações a preços proibitivos…Sem espaços verdes, zonas de lazer e…tudo o mais…À fina!



A inscrição de 1787 no portal da quinta
Foto de Fausto Castelhano (2010)



É a tal modernidade que nos andam a impingir a toda a hora, no seu magnífico esplendor…Por ali, o cimento armado é rei e senhor: é o chamado Alto dos Moinhos, servida pela respectiva estação do Metropolitano. No seu interior, alojaram o Museu da Música. Ao menos, valha-nos a louvável iniciativa…Pela raridade, às vezes somos surpreendidos que… nem queremos acreditar!



O magnífico painel de azulejos, no interior da quinta. O portão estava escancarado… Não perdemos a oportunidade.
Foto de Fausto Castelhano (2010)



O empedrado de basalto, tão característico destes fabulosos caminhos, fora substituído por alcatrão.
A agradável caminhada ao longo do percurso foi, na verdade, um encantamento que não vamos esquecer tão depressa. O chilrear da passarada, as milheirinhas, os pintassilgos e um casal de melros, deram-nos as boas vindas…Estamos na época de acasalamento e em plena construção dos ninhos... Uma maravilha… Meus amigos, vão lá e observem a amenidade, o pitoresco dos sítios de tempos que já não voltam mais...



Portão de quinta na Rua dos Soeiros
Foto de Fausto Castelhano (2010)



Com uma sorte fantástica, deparámos com o portão da Quinta do Bensaúde escancarado e, logo ali, zás! Um extraordinário painel de azulejos, muitíssimo bem conservado… Lindíssimo…
O trajecto da Rua dos Soeiros, perdão, Rua João Hogan, bastante aprazível, é um pouco compridote, mas ainda bem que assim é… Desfrutámos, à farta, a amenidade duma ambiência única... Com muita pena nossa, tem o seu termo num verdadeiro descampado, virado para a Cruz da Pedra e no cruzamento com a Azinhaga do Ramalho.



Rua Cidade de Rabat, 5 (Antiga Rua dos Soeiros) - Quinta Nova da Conceição
Foto de Fausto Castelhano (2010)



Assim, aproveitámos a vizinhança da Azinhaga do Ramalho e fomos deitar uma olhadela ao que restava do velho caminho…
Mas, primeiramente, apontámos a mira para o outro lado da Rua dos Soeiros, isto é, o trajecto que, iniciando-se na Estrada de Benfica, arrancava por ali acima até à Quinta de Montalegre…Passei por ali, milhares de vezes, de eléctrico ou a pé ou, um pouco mais tarde, utilizando o autocarro, a caminho da Escola Pedro de Santarém, da Escola Industrial Machado de Castro, das Oficinas Gerais de Material Aeronáutico de Alverca ou do Aeródromo Base nº1, depois de frequentar a Escola Militar…
Para nossa surpresa usurparam, indecentemente, o nome à Rua dos Soeiros que, agora, tomou uma nomenclatura muito mais pomposa. Nem mais! Rua Cidade de Rabat…Assim mesmo…Sim, senhor! Gente espertalhona, minada de ideias mirabolantes que conseguem sacar das profundezas da cacholeira e que, por bastas vezes, têm destes desaforos…sabe-se lá por mor de quem!



Rua Cidade de Rabat (Antiga Rua dos Soeiros)
Foto de Fausto Castelhano (2010)



Porém, observámos uma outra fantasia…A antiga via (a actual Rua Cidade de Rabat), percurso natural de mercadorias, gado, carroções carregadinhos de produtos agrícolas ou hortícolas e de toda uma infatigável actividade rural, nem sequer tem ligação directa com a Estrada de Benfica. A rua foi trancada, em definitivo, pelo passeio que, por mero acaso, pavimentaram em calçada portuguesa…Vá lá… Podia ser muito pior…



Rua Cidade de Rabat (Antiga Rua dos Soeiros) – Uma casa de tempos muito antigos
Foto de Fausto Castelhano (2010)



E pronto, palmilhámos a Rua Cidade de Rabat a qual, corresponde ao início do antigo caminho da Rua dos Soeiros… A Quinta Nova da Conceição ainda lá está com o Nº 5, alguns edifícios antigos permanecem intactos, embora degradados… Logo ali, obtivemos os respectivos registos. Galgámos a rua até ao desvio do Alto dos Moinhos e fomos lá acima. Ao ponto mais elevado do local! O magnífico panorama que dali se desfruta em toda a sua extensão é, na verdade, magnífico…Depois, foi sempre a descer…Um pouco extenuados pelo valente estirão, retornámos a Benfica, o último destino da nossa romagem…




Azinhaga do Ramalho


Vamos, então, retornar um pouco à Azinhaga do Ramalho a qual, tinha o seu começo na Estrada da Luz, nº 71 e terminava, sensivelmente, a meio da Rua dos Soeiros. Este trecho da Azinhaga do Ramalho (que tinha início a partir da Estrada da Luz) foi literalmente desmantelado e a totalidade do espaço circundante está ocupado por diversas urbanizações, de gosto muito duvidoso, e que não acrescentaram nada de novo.



Azinhaga do Ramalho, Nº3 junto à Estrada da Luz (1971)
Nuno Barros Roque da Silveira, in Arquivo Municipal de Lisboa



Portanto, da vertente virada para a Estrada da Luz, tirámos o cavalinho da chuva pois, não havia nada a fazer. Assim, explorámos do outro lado deste velho caminho, isto é, pelo desvio que, da Rua dos Soeiros, nos introduz na Azinhaga do Ramalho. Talvez a sorte nos batesse à porta. E lá fomes, a “mata cavalos”…



Azinhaga do Ramalho – Os muros das quintas (do lado esquerdo)
Foto de Fausto Castelhano (2010)



Na “ganga da maviosa” e sobre o empedrado original, percorremos a antiga e encantadora azinhaga, estreitinha, serpenteando por entre velhos barracões arruinados e pelos característicos muros das quintas… Abruptamente, deparámos com o final do percurso junto ao portão da Quinta do Furão. Não existe saída possível… Ali, num pequeno terreiro sobre a Estrada da Luz e a Estrada das Laranjeiras, matagal e uma belíssima lixeira! Um mimo…



O empedrado original da Azinhaga do Ramalho
Foto de Fausto Castelhano (2010)



Resolvemos continuar… O fim de tarde aproximava-se...



Azinhaga do Ramalho – Portão da Quinta do Furão
Foto de Fausto Castelhano (2010)



Travessa da Granja


Depois da Rua Cidade de Rabat (Rua dos Soeiros), conseguimos aguentar a pedalada…O melhor que nos foi possível!
A Estrada de Benfica é demasiado custosa após tantos quilómetros no papo! Porém, tinha que ser e… já! Ou era agora, ou então, jamais nos iríamos enfiar, novamente, em tamanha enrascada! Assim, lográmos perfazer o trajecto que nos restava da Estrada de Benfica até à Travessa da Granja.


A placa toponímica da Travessa da Granja, ainda permanece.
Foto de Fausto Castelhano (2010)



A Travessa da Granja iniciava-se no Nº 464 da Estrada de Benfica, um pouco antes da Azinhaga da Fonte e, através do seu empedrado de basalto, ladeada pelos muros das Quintas da Granja de Baixo e da Quinta da Granja de Cima, dava acesso directo à Quinta da Granja de Cima e ao palacete da Família Canas.



Travessa da Granja, a caminho da Quinta da Granja de Cima
Foto de Fausto Castelhano (2010)



Nos dias de hoje, ainda persiste um pequeno troço da dita travessa (devidamente assinalada) que, na realidade, possuía as características essenciais que definem uma azinhaga. Agora, esta via começa na Rua Dr. José Baptista de Sousa e no cruzamento com a Rua Mestre Lima de Freitas. Localiza-se exactamente, nas barbas da nossa Associação de Artes e Cultura – Stimuli/Unisben.



Empedrado original da Travessa da Granja
Foto de Fausto Castelhano (2010)



O empedrado primitivo ainda se mantém. Meu pai e eu próprio, algumas vezes, trilhámos este caminho com o objectivo de negociar a compra da forragem para o nosso gado leiteiro.



Travessa da Granja
Foto de Fausto Castelhano (2010)


A velha nora da Quinta da Granja de Cima com inscrição de1919 gravada na pedra duma das colunas
Foto de Fausto Castelhano (2010)



E pronto, a viagem ao passado, no que às azinhagas diz respeito, terminou. Cansados, mas com um sentimento de indefinível prazer e do dever cumprido. Fizemos o melhor que pudemos e soubemos respeitando, acima de tudo, o rigor dos sítios e das alterações que, entretanto e ao longo de décadas, alteraram profundamente e de modo irreversível, a fisionomia da nossa freguesia. Esperamos, sinceramente, que estes singelos apontamentos contribua para um conhecimento mais preciso da nossa terra e que, entusiasme os nossos amigos e amigas a que, um dia qualquer, partam à aventura pelos caminhos e lugares de tempos remotos que, felizmente, na nossa Freguesia de Benfica e, também, na Freguesia de Carnide, estão à nossa espera…


Com um abraço de muita amizade

Fausto Castelhano