terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Feliz Ano Novo!




(por Alexandra Carvalho)



O "Retalhos de Bem-Fica" deseja a todos os seus leitores, redactores, amigos e vizinhos um FELIZ 2013!

Este ano que agora finda foram todos vocês (que, diariamente, lêem, enviam comentários e/ou sugestões e foram entrevistados) que nos ajudaram a "construir" este blog... pelo que aqui vos queria agradecer de uma forma muito sentida.

Que o novo ano nos traga a todos muita persistência, força e esperança, para conseguirmos ultrapassar todas as (prometidas) dificuldades que por aí vêm!

E, sobretudo, que não percamos a capacidade de sonhar e de (conseguirmos) transformar o nosso mundo em algo de melhor!
E que possamos continuar, localmente, a dinamizar estas redes de apoio entre vizinhos... e que as mesmas se estendam a mais ruas e bairros!








"Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, 
a que se deu o nome de ano, 
foi um indivíduo genial. 
Industrializou a esperança 
fazendo-a funcionar no limite da exaustão. 

Doze meses dão para qualquer ser humano 
se cansar e entregar os pontos. 
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez 
com outro número e outra vontade de acreditar 
que daqui para adiante vai ser diferente... 

... Para você, 
Desejo o sonho realizado. 
O amor esperado. 
A esperança renovada. 

Para você, 
Desejo todas as cores desta vida. 
Todas as alegrias que puder sorrir. 
Todas as músicas que puder emocionar. 

Para você neste novo ano, 
Desejo que os amigos sejam mais cúmplices, 
Que sua família esteja mais unida, 
Que sua vida seja mais bem vivida. 

Gostaria de lhe desejar tantas coisas. 
Mas nada seria suficiente... 
Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos. 
Desejos grandes e que eles possam te mover a cada minuto, 
ao rumo da sua FELICIDADE!!!" 

- Carlos Drummond de Andrade








domingo, 29 de dezembro de 2013

A Travessa do Açougue - o 1º Centenário das “moradias em banda” de cariz operário




Todos os direitos reservados @ Fausto Castelhano, "Retalhos de Bem-Fica" (2013)



A Travessa do Açougue - o 1º Centenário das “moradias em banda” de cariz operário


(por Fausto Castelhano)




Ao revisitarmos demoradamente a velhinha Travessa do Açougue aproveitámos a soberana ocasião que se nos deparou e resolvemos tomar em mãos a iniciativa de singela mas justíssima comemoração dando-lhe justificada relevância quando se assinala a efeméride do 1º Centenário da construção do emblemático bloco de “habitações em banda” de cariz operário na sequência das profundas alterações ocorridas no já longínquo ano de 1913 que transfiguraram, de modo substancial, o perfil da recatada artéria. 


Conjunto de “moradias em banda” na Travessa do Açougue 4 a 20/Estrada do Poço do Chão, 2, a actual Rua da Bolívia.
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Além do mais, a Travessa do Açougue alberga no bojo uma história algo interessante polvilhada de pormenores peculiares que importa conhecer e divulgar tendo em vista que não encontramos o mínimo paralelo no contexto da rede viária da Freguesia de Benfica. 


Ao fundo e frontal à Travessa do Rio (donde foi obtida a imagem) avista-se o início da Travessa do Açougue.
(Foto de João H. Goulart, 1960 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Assim, no enfiamento da Travessa do Rio (toponímia atribuída ao Beco Visconde Sanches de Baena após a implantação da República Portuguesa no ano 1910) e inserida num notabilíssimo conjunto de vetustas habitações, lobrigamos a curiosa Travessa do Açougue. 



Estrada de Benfica, 554/554A - A taberna do Zé da Graça e a Foto Nice (1º andar). Nos pisos superiores, também residia o passarinheiro “Passarinho Moni”. À direita deste prédio tinha início a Travessa do Açougue (Foto de Artur Goulart, 1961- Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


E lá está, mais ou menos estrangulada entre os prédios da Estrada de Benfica, 552 (construído em 1960/1961 depois da malfadada demolição do venerável palacete do século XVIII) e o gaveto na Estrada de Benfica nº 554/Travessa do Açougue, nº1 (rés/chão, 1ºandar e águas-furtadas), moradia onde estabeleceram domicílio ou ramos de negócio, meritórios cidadãos que a população de Benfica prezava em absoluto. 

Assim sendo, vejamos os seus inquilinos: 
O já saudoso Sr. José da Graça, homem de trato lhano e que geria com eficiência a sua modesta, mas cativante taberna, um dos locais de eleição onde o “povo miúdo” da comunidade aportava no intuito de acamaradar com amigos alguns momentos de amizade e lazer, ora cavaqueando qualquer assunto que por mero acaso viesse “à baila”, ora participando de modo activo nas renhidas jogatinas de “dominó” ou “damas”, “sueca” ou “bisca de quatro”. 



Estrada de Benfica, 546 (antigo nº 481). A entrada do venerável edifício do século XVIII demolido na segunda metade da década de 50 do século XX e que formava gaveto com a Travessa do Açougue. No seu espaço foram construídos prédios de habitação em regime de “propriedade horizontal” e lojas comerciais 
(Foto de Eduardo Portugal, 1951 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


E, claro está, sem jamais prescindirem do trivial copázio de “vinho genuíno do lavrador” ou trago de macia bagaceira enfiados pelo “garganhol” abaixo e, quando o “rei fazia anos”, o tilintar de meia dúzia de tostões no bolso davam sinais de vida ou mercê de ocasião propícia, ninguém se escusava na pronta degustação de eventual petisco caseiro de “arregalar o olho”. 



Estrada de Benfica, 546 - Pedra de Armas (já mutilada no topo) e que estava colocada no palacete da Estrada de Benfica, 546 e demolido nos “anos 50” do “século XX” 


E mal findava o “defeso” e despontava o Outono, os extractos mais desfavorecidos da população aproveitavam as tardes de Domingo e abancavam, infalivelmente, pelas várias tabernas e tascas do burgo acompanhando, a par e passo, os emocionantes relatos radiofónicos do Campeonato Nacional de Futebol da 1ª Divisão transmitidos através das ondas hertzianas da Emissora Nacional na voz vibrante de Domingos Lança Moreira ou Alfredo Quádrio Raposo e, anos mais tarde, Amadeu José de Freitas e tantos outros… E sempre, sempre à volta do tal copinho de vinho tinto ou branco da praxe. Tempos safados e já um tanto perdidos no tempo valha a verdade, mas onde possuir um simples receptor de rádio e só de Onda Média representava, sem qualquer dúvida, autêntico objecto de luxo. A porta de entrada do prédio propriamente dito (Estrada de Benfica, 554) dava acesso aos pisos superiores. Os reputados Estúdios da Foto Nice estavam sediados no 1º andar, onde o Sr. Virgílio, exímio profissional na exigente especialidade de “tirar retractos”, seja em estúdio, casamento ou baptizado, “dava cartas” em concorrência com a categorizada Foto Águia d’Ouro (Estrada de Benfica, 574 onde pontificava a afabilidade de Alice Lisboa, a Beca para amigos e vizinhos, dominando sem qualquer dificuldade, a técnica de criação de imagens a expensas de fonte luminosa e a sua posterior fixação em película adequada. 



Panorâmica da Travessa do Açougue no sentido Este/Oeste. Ao fundo, o termo do arruamento na confluência da Estrada do Poço do Chão (actual Rua da República da Bolívia) com o Largo da Cruz da Era. À direita, o bloco de “moradias em banda” 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Anos mais tarde surgiria a conceituada Fotografia Flórida localizada na Estrada de Benfica, 678C, 1º Frente contudo, a entrada fazia-se na fachada lateral, exactamente no adro oriental da Igreja de Nossa Senhora do Amparo de Benfica. 



Vista geral da Travessa do Açougue no sentido Este/Oeste. Ao fundo, a bifurcação com o Largo da Cruz da Era e a Estrada do Poço do Chão (actual Rua da República da Bolívia) À direita, o conjunto de moradias de “cariz operário” construídas em 1913 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Chegados aqui, vamos relançar uma demorada olhadela à histórica Travessa do Açougue, mas recuando ao mês de Outubro de 1947 quando, provavelmente, teríamos irrompido pela primeira vez no maltratado piso da referida via, ou seja, seguindo a rota do habitual caminho que nos levava à Escola Primária que iríamos frequentar no início do primeiro período da 2ª Classe. 



Travessa do Açougue, 25. O final da Travessa do Açougue na bifurcação do Largo da Cruz da Era e da Estrada do Poço do Chão (actual Rua da República da Bolívia). Neste último edifício do lado esquerdo esteve instalado desde a década de 40 do século XX, o afamado “Ferro-velho”, o ramo de negócio do Guarda-nocturno da área. 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Afinal, tratava-se de atalho natural depois de calcorrearmos o longo trajecto desde a Estrada dos Arneiros onde residíamos e, seguindo pela Estrada do Poço do Chão, cruzávamos a Travessa do Açougue, desaguávamos em plena Estrada de Benfica e, um pouco mais à frente, chegávamos ao final da etapa na Quinta do Marrocos, local onde se erguia o barracão de albergava as quatro salas de aula da Escola Primária Elementar nº47, precisamente à ilharga, não só do antigo Quartel do Batalhão de Sapadores Bombeiros de Benfica, mas também das alongadas traseiras da Fábrica Simões e defronte da Cozinha dos Pobres da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, a celebérrima “Sopa do Sidónio” ou “Sopa do Barroso”. 



Travessa do Açougue, 3A e 5 (lado direito). Panorâmica no sentido Oeste/Este e, ao fundo (a Nascente), um dos portões de acesso à Quinta da Granja de Cima registado com o nº2 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Ora, o início da discreta Travessa do Açougue sempre se salientou pelo especial condão de passar quase despercebida a transeuntes menos observadores que circulassem pela Estrada de Benfica, não obstante e percorridos os iniciais 15 metros (Sul/Norte), abre-se um alargado espaço, à esquerda e no sentido Este/Oeste, facto que ainda hoje acontece e que induz, logo ao primeiro impacto, a visão inopinada de um enorme pátio ou terreiro de dimensões invulgares e onde se torna patente, a esplêndida fileira de moradias geminadas que tamanha admiração continuam a causar. 



Travessa do Açougue, 20. A última moradia (gaveto) no lado direito localizava-se na confluência do Largo da Cruz da Era e da Estrada do Poço do Chão, actual Rua da República da Bolívia 
(Foto de Artur Goulart, 1965 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Mais adiante, a espaçosa superfície afunila e termina na bifurcação do Largo da Cruz da Era e da Estrada do Poço do Chão (actual Rua da República da Bolívia) perfazendo o comprimento aproximado de 80 metros. 



Travessa do Açougue, 3A, 5, 7A, 7, 9 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Assim sendo, coloca-se a premente pergunta: será que a Travessa do Açougue consegue reunir todos os predicados que lhe conferem o estatuto deste género de arruamento tendo, na devida conta, o formato do traçado, tal e qual como se apresenta? Pois bem e sem mais delongas, vejamos a definição de “Travessa”: “rua estreita e curta entre outras duas ruas principais; pequena rua transversal”. Nesta medida, certamente haverá uma sólida e plausível razão que torne entendível tão flagrante facto. Com efeito, recuando além de uma centena de anos e dispondo da parca documentação disponível, verifica-se que o presente topónimo teria sido concedido mediante um Decreto de 1889 quando o Travessa do Açougue expunha uma faceta algo diferente em relação àquela com que somos defrontados hoje em dia, contudo ignoram-se os reais motivos da atribuição da mencionada nomenclatura que, ao cabo e ao resto, perdura desde o final do século XIX até aos nossos dias… 



Travessa do Açougue, 3A, 5, 7A, 7, 9 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


A hipótese mais provável aponta para a existência de um açougue de relativa amplitude integrado no próprio local ou suas imediações, favorecido pela superior vantagem de usufruir de curso de água corrente muitíssimo próximo, sito na Travessa do Rio (Ribeira de Benfica), factor determinante associado às múltiplas tarefas que se desenrolam nas actividades inerentes aos matadouros (açougues) desde o abate, o desmanchar das rezes e à comercialização. 



Travessa do Açougue, 3A, 5, 7A, 7, 9, 11, 15 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Entretanto, face à observação em pormenor da Planta Topográfica 4O datada de Junho de 1908 (Arquivos da Câmara Municipal de Lisboa) permite-nos concluir, inequivocamente que, afinal de contas, a estreita Travessa do Açougue assumia em épocas mais remotas, a sua verdadeira característica, ou seja, condizente com a condição de Travessa, tal como se sublinhou atrás e apenas sofrerá modificações de monta em 1913. 



Travessa do Açougue, 7A e 7. A moradia onde residia a família do Sr. Arnaldo, um dos padeiros que procedia à distribuição de pão ao domicílio nas ruas da Freguesia de Benfica 
(Foto de Fausto Castelhano, 2013) 


Assim, a exígua largura do primitivo traçado resumia-se a cerca de 2/2,5 metros e apenas consentia a circulação de veículos de tracção animal (tão comuns num passado já distante) e estava cingido, não só pelo casario alinhado em todo o percurso do lado esquerdo mas, também, no lado direito e desde o seu início, por um primeiro troço de cerca 15 metros (sentido Sul/Norte e mais largo que o restante) e que correspondia à extrema da propriedade da Estrada de Benfica, 552 (demolida na “década de 50” do século XX). A partir daqui, e guinando à esquerda no sentido Este/Oeste, o forte muro da Quinta da Granja estabelecia a fronteira da Travessa do Açougue até ao seu termo, isto é, a bifurcação do Largo da Cruz da Era e da Estrada do Poço do Chão (actual Rua da Bolívia). Refira-se que o primitivo trajecto e que contorna as habitações no lado esquerdo permanece funcional embora com limitações no final da via devido à aplicação de três degraus e patamar em pedra. 



1 - Quinta da Granja de Cima (roxo, tracejado); 2 - Quinta do Caldas (castanho tracejado); 3 - Quinta dos Baldaias ou Quinta de Colares Pereira (laranja tracejado); 4 - Quinta do Visconde de Baena; 5 - Ribeira de Benfica/Ribeira de Alcântara ou Caneiro de Alcântara; 6 - Chafariz das Águas Livres; Travessa dos Arneiros, actual Rua dos Arneiros (azul); 7 - Passagem pedonal (quelha) entre a Estrada de Benfica e a Travessa do Açougue; Estrada do Poço do Chão (verde); Largo do Espírito Santo/Rua do Espírito Santo, actual Largo Ernesto da Silva/Rua Ernesto da Silva (vermelho); Travessa da Cruz da Era/Largo da Cruz da Era (verde tracejado); Travessa do Açougue (laranja); Travessa do Vintém das Escola/Beco do Vintém das Escolas, antiga Travessa do Espírito Santo (amarelo); Estrada das Garridas (vermelho tracejado); Travessa do Rio (verde tracejado). 
Extracto da Planta Topográfica 4O - Junho de 1908 (Arquivo Municipal de Lisboa) 


Além da colocação de passeios, as bermas e valetas foram objecto de melhorias significativas apenas na década de 80 do século XX e o empedrado basáltico foi substituído por tapete de asfalto contudo, o segmento inicial de 15 metros manteve a estrutura antiga em pedra negra de calçada. 



Travessa do Açougue, 7 e 9 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Erguidos no lado esquerdo da artéria, as traseiras dos fogos citados colidem com o flanco posterior (anexos e pequenos espaços) do soberbo quarteirão de edifícios que remontam aos séculos XVIII e XIX (incluindo exemplares da Era Pré-Pombalina) que se estendem na Estrada de Benfica desde a Travessa do Açougue (Estrada de Benfica, 554) até ao prédio de esquina, sito na Travessa da Cruz da Era, 2/Estrada de Benfica, 608). Engloba, também, a totalidade das moradias nesta curta via (cerca de 45 metros), isto é, contidas desde o início até ao seu termo no Largo da Cruz da Era. Valioso conjunto arquitectónico que urge preservar a todo o custo e que se encontra totalmente reabilitado com excepção da moradia assinalada com os números 580 a 584 a qual, se não forem tomadas medidas convenientes e atempadas continuará a degradar-se pouco a pouco correndo-se o risco de iminente derrocada. Nos últimos anos foram empreendidas várias benfeitorias dignas de apreço, tanto a nível dos rés/chão, como também no que concerne às paredes-mestras e travejamentos, reforço de telhados ou soalhos valorizando, sobremaneira, os edifícios em questão… Analisando “à lupa” a Planta 4O de 1908 mencionada anteriormente descobre-se ainda, uma surpreendente quelha ou viela que permitia, em tempos idos, a passagem pedonal desde a Estrada de Benfica até a um ponto situado, sensivelmente, a meio do percurso original da Travessa dos Açougue. 



A entrada da oficina de reparação de automóveis do Sr. José Ernesto (Travessa do Açougue, 11) e habitação demolida nos “anos 80” do século XX. Em seu lugar foi erguida uma moradia (Travessa do Açougue, 13) composta por rés/chão e 1º andar onde reside a família do Sr. José Ernesto 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


A proveitosa ligação teria sido vedada em data indeterminada, já depois de 1937 por meio de dois portões metálicos s/número, quer pelo lado da Travessa do Açougue entre os nºs 13 e 17, quer na Estrada de Benfica, intercalado entre os prédios registados com os nºs 590 e 592. 



Edifício na Estrada de Benfica, 580 a 584 e que se encontra em adiantado estado de ruina 
(Foto de Fausto Castelhano, 2013) 


Enfim, comprovámos “in loco” e por mera curiosidade, a existência efectiva deste pormenor verdadeiramente extraordinário e, mesmo na consulta à Carta Militar de Portugal dos Serviços Cartográficos do Exército de 1937, constatamos que a citada interligação intermédia algo inesperada, mas de insuspeitada valia, continuava aberta ao vaivém da população no afã dos seus afazeres quotidianos. 



Travessa do Açougue,11 (oficina do Sr. José Ernesto) e 13, a residência da família do Sr. José Ernesto. Moradia edificada no local onde existia uma habitação bastante antiga (apenas um piso) e demolida nos anos 80 do século XX 
(Foto de Fausto Castelhano, 2013) 



O já obsoleto, mas utilíssimo percurso que ao longo de sucessivas gerações serviu exemplarmente os cidadãos de Benfica, manteve-se imutável até ao dealbar do ano de 1913 quando a tranquilidade da obscura Travessa do Açougue foi subitamente estremecida por um brutal salto qualitativo que modificou de modo definitivo, o antigo aspecto físico que remontava a muitas épocas atrás. Como assim? Pois bem, sucede que os proprietários da Quinta da Granja de Cima (Família Cannas) concederam apreciável parcela da enorme herdade, a qual e ao tempo balizava, todo o lado direito da Travessa do Açougue excluindo, como já se citou, o segmento inicial de 15 metros. Derrubado o robusto muro divisório da Quinta da Granja de Cima, a exiguidade do velho itinerário da Travessa do Açougue amplia-se de modo considerável atingindo assim, novos e impensáveis limites no sentido da largura (Sul/Norte) redesenhando quiçá, um figurino em moldes absolutamente distintos do anterior. 



Travessa do Açougue (vermelho); Largo Ernesto da Silva, Rua Ernesto da Silva e Travessa do Vintém das Escolas (cinzento); Largo da Cruz da Era e Travessa da Cruz da Era (azul); Passagem pedonal (amarelo). 1 - “Moradias em Banda” do Bairro Operário da Travessa do Açougue; 2-Estrada de Benfica; 3-Estrada do Poço do Chão (actual Rua da Bolívia); 4-Calçada do Tojal; 5-Rua Cláudio Nunes; 6-Travessa dos Arneiros (actual Rua dos Arneiros); 7-Avenida Grão Vasco; 8-Estrada das Garridas; 9-Avenida Gomes Pereira; 10-Travessa do Rio (Extracto da Carta Militar de Portugal (1937) dos Serviços Cartográficos do Exército) 


O segmento inicial da Travessa do Açougue, a Nascente e no sentido Sul/Norte, salta de 15 metros e alcança a fasquia de 37 metros e a embocadura do lado Poente, ou seja, a bifurcação com a Estrada do Poço do Chão/Largo da Cruz da Era, passará de 2/2,5 metros a 20 metros. Medidas que implicam, obviamente, a largura das moradias (cerca de 10 metros). 



Portão s/número na Estrada de Benfica intercalado entre os nºs 590 e 592, um dos pontos de ligação da antiga passagem pedonal entre a Estrada de Benfica e a Travessa do Açougue existente entre os nºs 13 e 17 e, entretanto, vedada em data indeterminada depois de 1937 
(Foto de Fausto Castelhano, 2013) 


Arranca a construção de harmonioso bloco de “moradias em banda” (apenas rés/chão) coroadas no topo e ao longo da fachada principal por um arremedo de ameias ao nível do telhado. Simultaneamente e ladeando o novíssimo empreendimento, será delineada uma ampla faixa de rodagem em terra batida e ausência de passeios para peões e onde, seguramente, a precaridade saltava à vista, mas que irá facilitar, sem dúvida, o trânsito rodoviário em ambos os sentidos. Podemos laborar num grave de erro de apreciação não obstante, estamos convictos que a simplória Travessa do Açougue nunca mereceu grandes favores das entidades competentes. Esquecida, propositadamente ou não, alvo de uma espécie de claríssima marginalização, só a muito custo foram obtidos alguns benefícios, tanto a nível da pavimentação ou passeios, bermas ou espaços livres. As péssimas condições de circulação, tanto de veículos como de pessoas perdurará por tempo infinito e só serão supridas aquando da sua completa remodelação nos “anos 80” do século XX. O piso de terra batida será eliminado e substituído por tapete asfaltado. 



Portão na Travessa do Açougue s/número entre os nºs 13 e 17 e que permitia a interligação pedonal com a abertura localizada na Estrada de Benfica s/número entre os nºs 590 e 592 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa) 


Essencialmente de índole social, as inovadoras moradias serão reservadas ao alojamento dos trabalhadores rurais da Quinta da Granja de Cima, mas ao alcance do proletariado residente na área territorial da Freguesia de Benfica, abrangendo alguns empregados e operários da prestigiada Fábrica Simões



Actual portão s/número na Travessa do Açougue entre os nºs 13 e 17 e que permitia a interligação pedonal com a abertura localizada na Estrada de Benfica s/número entre os nºs 590 e 592 
(Foto de Fausto Castelhano, 2013) 


Abarca um núcleo de dez fogos em correnteza de arquitectura ímpar (3 assoalhadas, cozinha, hall de entrada, além de pequeno quintal) concentrados no lado direito (Este/Oeste) da Travessa do Açougue desde o nº4 ao nº20. Este último, concebido em forma de gaveto abrange, ainda, a moradia da Estrada do Poço do Chão, 2 (actual Rua da Bolívia). A estrutura edificada cobre uma superfície total de 600 m2 (60x10 metros), aproximadamente. 



Travessa do Açougue, 15, 17, 19 - A moradia com os números 17 e 19 (onde laborou uma carpintaria em tempos muito antigos) foi demolida na primeira década do século XXI. Nesse espaço ergueu-se o actual prédio de Rés/chão e 1º andar, registado com o nº 17 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Por não disporem de água canalizada nas moradias, os moradores acarretavam o precioso líquido para o consumo diário por meio de cântaros ou outro vasilhame apropriado e abasteciam-se em dois locais principais: Chafariz das Águas Livres na Estrada de Benfica no início da Estrada das Garridas (desactivado) e um dos poços na Quinta da Granja de Cima junto da habitação D. Gertrudes, a guarda/porteira da herdade (entrada na Estrada do Poço do Chão). Para o efeito, as aberturas introduzidas nos muros dos quintais de cada um dos fogos e mais tarde eliminadas, facilitavam as incursões ao poço providencial. A distribuição domiciliária, tanto de água da Companhia das Águas de Lisboa, como de energia eléctrica da CRGE, só ocorreu em 1948. 



Travessa do Açougue, 17 e 19 – Moradia já demolida na primeira década do século XXI e onde, em épocas passadas, laborou uma carpintaria. O espaço foi ocupado pelo actual prédio de Rés/chão e 1º andar registado com o nº 17 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Os despejos domésticos efectuavam-se em acanhados casinhotos localizados nos quintais e incluíam simples sanitários que estavam ligados à rede de saneamento básico situada no extremo Este da Travessa do Açougue. Posteriormente, os próprios inquilinos introduziram melhorias nas suas habitações, nomeadamente no que se refere às casas de banho que foram perfeitamente incorporadas no interior e apetrechadas com os necessários requisitos. 



Travessa do Açougue, 17 e 19. Habitação demolida na primeira década do século XXI quando já ameaçava derrocada e onde, em tempos já remotos, laborou uma carpintaria. No espaço será construída uma nova moradia 
(Foto de Gomes Mota, 2002) 


Mas, então, quem residia ou ainda reside na Travessa do Açougue? Um punhado de gente altamente respeitável, operários, empregados, comerciantes, etc. e que, no decurso de várias gerações, sempre nos habituámos a saudar com deferência quando nos cruzávamos aqui e ali, em qualquer espaço da urbe onde nascemos e vivemos a maior parte da nossa já longa existência. 



Travessa do Açougue, 17. A actual moradia foi construída na primeira década do século XXI após demolição da antiga habitação registada com os nº17 e 19 e onde funcionou uma carpintaria 
(Foto de Fausto Castelhano, 2013) 


Assim e desde logo, vamos ao encontro da Srª. D. Elisa do Rosário Pereira Nunes, a simpática inquilina da moradia nº10 e a quem endereço sinceros agradecimentos pela desinteressada colaboração e as preciosas informações prestadas na identificação de inúmeros dos seus vizinhos, tanto actuais como antigos. A Srª. D. Elisa nasceu, precisamente aqui, corria o ano de 1929 e a sua avó foi a primeira locatária da habitação. Bom, agora recordemos alguns cidadãos mais à mão de semear que nos ficaram na memória e residentes da Travessa do Açougue: O Sr. Paulo (pai da D. Capitolina, já falecida e que conheci em jovem na década de 50/60 do século XX), técnico de nomeada, exercia a minuciosa profissão de relojoeiro junto à janela da sua residência, a moradia nº16. 



Travessa do Açougue, 19, 21, 23, 25 - Ao fundo, a bifurcação com o Largo da Cruz da Era e a Estrada do Poço do Chão (actual Rua da Bolívia). Na foto observa-se, ainda, o Ford Prefect, matrícula LF-13-68, o automóvel do Sr. Manoel de Almeida e Sousa, o dono da Farmácia União.
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


E quem não conhecia o célebre “Chico Carreira”? Filho de Francisco Luís Gato e de D. Capitolina vivia com os pais na moradia nº 6. Depois do matrimónio com D. Teresa, ali residiram após o casório de que resultaram 2 filhas: a D. Capitolina e a D. Maria Teresa. 



Travessa do Açougue, 21, 23 - Na foto, avista-se o Ford Prefect, matrícula LF-13-68, o automóvel do Sr. Manoel de Almeida e Sousa, o dono da Farmácia União .
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa) 


Proprietário de afamado restaurante no “Parque Mayer”, além de um óptimo talho localizado na Estrada de Benfica nº570/572 o qual, mais tarde, encerraria. Abriria portas, seguidamente, com um novo titular e outro ramo de comércio: loja de móveis e afins. Durante muitos anos, “Chico Carreira” foi dono do único automóvel existente nas mãos do núcleo populacional da Travessa do Açougue. Tratava-se de espampanante espadalhão que não deixava ninguém indiferente. 



Travessa do Açougue, 4 a 20. Conjunto de “moradias em banda” de cariz operário 
(Foto de João H. Goulart, 1969 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


A família do Sr. José Ernesto estabeleceu residência no nº13 e a sua oficina de mecânica, bate-chapa e pintura ocupava o barracão cuja entrada se fazia pelo nº11. O actual prédio (rés/chão e 1º andar) onde presentemente reside a família do Sr. José Ernesto, foi construído nos “anos 80” depois da demolição de uma antiga habitação de um só piso (nº13). O Sr. José Ernesto entregou a alma ao Criador em Janeiro de 2009 e a esposa, D. Florinda, faleceu recentemente (Dezembro de 2013). O Sr. Arnaldo e respectiva família assentaram arraiais no prédio nº7 (rés/chão e 1º andar). Exercia a profissão de padeiro e, alombando com o enorme e tradicional cesto de verga, percorria as ruas de Benfica na distribuição de pão porta-a-porta. Passados alguns anos, adquiriu uma pequena furgoneta de caixa fechada que lhe facilitou a dura e cansativa função. 



Travessa do Açougue, 4 a 20. Conjunto de “moradias em banda” 
(Foto de João H. Goulart, 1969 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


A D. Irene, a famosa “Girafa”, alcunha como era conhecida a ilustre figura de proa da Marcha de Benfica e que alinhou “anos a fio” como marchante de alto gabarito, morava na habitação nº 12. O popular “Chaman”, operário de profissão e inquilino na moradia nº2 da Estrada do Poço do Chão (Rua da República da Bolívia). 



Travessa do Açougue, 4 a 14 – Na foto (sentido Poente/Nascente) e ao fundo, observa-se um dos portões da Quinta da Granja de Cima identificado com o nº 2 
(Foto de Arnaldo Madureira, 1970 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


A moradia que ostenta o nº17 foi construída na primeira década do século XXI após demolição da antiga habitação registada com os nº17 e 19 e onde laborou, décadas atrás, uma antiga carpintaria. A família de Carlos Alberto Garrancho, jogador internacional de Hóquei em Patins do Sport Lisboa e Benfica, além de outros clubes de grande nomeada nas décadas de 60/70 do século XX, residia na habitação cujo acesso se fazia pelo portão nº3. 



O gaveto do conjunto de “moradias em banda” construído em 1918 na Travessa do Açougue, nº20/Estrada do Poço do Chão, nº2, actual Rua da República da Bolívia e onde residia a família do operário Sr.“Chaman” 
(Foto de Fausto Castelhano, 2013) 


Os alvores da “década de 50” do século XX assinalam o início da avalanche do “cimento armado” originado pelo maremoto que, de maneira intempestiva, assolou a área territorial da Freguesia de Benfica deixando marcas insanáveis, as quais, decorridas cerca de seis décadas, ainda se reflectem na época que decorre. A massiva e sistemática destruição do património histórico edificado foi, efectivamente, coroada de indiscutível êxito e impressiona pela colossal dimensão. A antiga Freguesia do Termo descaracterizou-se em alta escala e em todos os azimutes. Nada escapou a tanta e tão celerada cegueira. A velha Travessa do Açougue, acossada fortemente, também não conseguiu safar-se ao medonho assalto a que foi submetida e foi atingida em cheio… Arrasadas várias propriedades históricas adjacentes à Travessa do Açougue, Travessa do Rio e Avenida Gomes Pereira, o poderoso “lobby” da Construção Civil avançou… imparável. 



O início da Travessa do Açougue. O prédio da Estrada de Benfica, 552 em plena construção no início da década de 60 do século XX no espaço onde existia o venerável e brasonado edifício demolido no final da “década de 50”). Ao lado esquerdo, a moradia da Estrada de Benfica, 554 onde se situava o estabelecimento (taberna) do Sr. José da Graça. No 1º andar, encontravam-se os Estúdios da Foto Nice 
(Foto de Artur Inácio Bastos, 1960 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Pois bem, no caso concreto da Travessa do Açougue e na nossa modesta opinião, tal investida guindou-se às raias do absurdo…e com foros de cambalacho de altíssimo quilate. Plantado em pleno espaço público, a Travessa do Açougue surge, como se fora por artes mágicas, absolutamente conspurcada por um enorme mamarracho de apartamentos (tipo “gaiola”) em regime de propriedade horizontal. 



Estrada de Benfica, 552/554 após a construção do prédio sobre a Travessa do Açougue. À esquerda, a moradia da taberna do Zé da Graça e da Foto Nice 
(Foto de Artur Goulart, 1961 - Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa


Assim mesmo! A entrada da via fica encanada por apertado e escuro túnel, um pouco à semelhança do fenómeno acontecido na Travessa do Rio, além de obstruir uma parte da fachada lateral da moradia da Estrada de Benfica, 554 assim como, portas e janelas da habitação da Travessa do Açougue, 1 e 3…Ver para crer como diria S. Tomé… 



O início da Travessa do Açougue e a habitação registada com o nº1 sob o túnel do prédio nº552 da Estrada de Benfica construído no início da “década de 60” do século XX 
(Foto de Fausto Castelhano) 


E assim ficou…encurralada. E se é verdade que a modesta Travessa do Açougue passava despercebida aos olhares dos cidadãos, agora nem sequer se dá pela sua presença… Na realidade, esconderam-na, definitivamente. Como consequência imediata, a circulação automóvel foi suprimida pelo lado da Estrada de Benfica. Enfim, concluída a construção do edifício no ano de 1961 na Estrada de Benfica, 552 sobre a entrada da Travessa do Açougue, a loja do rés-do-chão (nº552A) albergou a firma “Malata” vocacionada em componentes da área electrónica, mormente, cinescópios, tubos de raios catódicos e válvulas utilizados em receptores de televisão. Encerrou em 1974. 



O medonho início da Travessa do Açougue e a habitação registada com o nº1 sob o túnel do prédio nº552 da Estrada de Benfica construído no início da “década de 60” do século XX 
(Foto de Fausto Castelhano) 


Reabriu no mesmo ano, agora sob a batuta do Sr. Patrício como loja de Electrodomésticos e Material Eléctrico. Entretanto, o Sr. Patrício faleceu em 1988 contudo, o estabelecimento continua com o mesmo género de negócio e a gerência eficaz da D. Maria Emília, a viúva do Sr. Patrício. 



O túnel da Travessa do Açougue. Além de conspurcar a histórica artéria, o prédio da Estrada de Benfica, 552 e construído na “década de 60” soterrou, também, parte da fachada lateral (com os nºs 1 e 3 da moradia da Estrada de Benfica, 554, Na foto e ao fundo, o túnel da Travessa do Rio 
(Foto de Fausto Castelhano, 2013) 


Quanto ao Sr. José da Graça, já não pertence ao número dos vivos desde a “década de 80” do século transacto. O memorável ponto de encontro, tendo por base a taberna da Estrada de Benfica, 554A e onde tantos e tão bons momentos de convívio ofereceu aos assíduos frequentadores, foi “chão que deu uvas” e, na mesma década do seu falecimento, fechou as portadas de vez. 



Entrada de habitação na Travessa do Açougue, 1. Encontra-se sob o túnel depois da construção do prédio na Estrada de Benfica, 552 
(Foto de Fausto Castelhano, 2013) 


Após várias remodelações no seu interior, reabriu, mais tarde, mas com mudança de negócio: “Celeiro da Memória”, Produtos Naturais. Também não conseguiu sobreviver e encerrou. Entretanto, reabriu recentemente como Café/Pastelaria/ Snack Bar “Água na Boca”. A introdução das modernas tecnologias digitais e outras recentes inovações implicou a liquidação de um incontável lote de estúdios fotográficos da Freguesia de Benfica. Tanto a Foto Nice do Sr. Virgílio, como a Foto Águia d’Ouro (onde a afável Alice Lisboa, a Becas, fazia questão em colocar a clientela na posição ideal antes de apontar a objectiva e clicar), além de outras casas dedicadas à fotografia, desapareceram sem deixar rasto… Actualmente, a belíssima correnteza de moradias da Travessa do Açougue mostram-se de “cara lavada” e em perfeitíssimo estado de conservação. Os inquilinos continuam a pagar as rendas mensais, nitidamente simbólicas, ao senhorio de sempre: a Família Cannas. 



Entrada de habitação na Travessa do Açougue, 3. Encontra-se juntinho ao túnel depois da construção do prédio na Estrada de Benfica, 552 
(Foto de Fausto Castelhano, 2013) 



“O Celeiro da Memória”, Produtos Naturais na Estrada de Benfica, 554A em 2010 após remodelação do prédio onde existiu a célebre taberna do Zé da Graça 
(Foto de Fausto Castelhano, 2010) 



O início da Travessa do Açougue na Estrada de Benfica, actualmente. O túnel sob o prédio nº542. À esquerda, a Café/pastelaria/snack-bar “Água na Boca” e, à direita (rés/chão), a loja de Electrodomésticos e Material Eléctrico gerida pela D. Maria Emília Patrício 
(Foto Fausto Castelhano, 2013) 


Apesar da tremenda vaga de expansão urbanística desenvolvida no território da Freguesia de Benfica desde a década de 50 do século XX, a excepcional vila operária, única no seu no género em termos de projecto arquitectónico, teima em manter-se incólume contra ventos e marés, precisamente em 2013, quando já se acenderam cem velas e se enchem os peitos de ar preparando, sem perda de tempo, a assopradela da ordem…
Amigos, não se façam rogados, vamos lá! Ergamos as nossas taças de champanhe e brindemos aos primeiros cem anos de longevidade das “moradias em banda” de carácter essencialmente operário, aqui mesmo, Travessa do Açougue, Freguesia de Benfica. Parabéns! Votos de muitos, muitos anos de vida…Tchim-Tchim!  



*** O autor não respeita as normas do Novo Acordo Ortográfico 








terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Feliz Natal!





"Poema de Natal"
(de Vinicius de Moraes)

"Para isso fomos feitos: 
Para lembrar e ser lembrados 
Para chorar e fazer chorar 
Para enterrar os nossos mortos — 
Por isso temos braços longos para os adeuses 
Mãos para colher o que foi dado 
Dedos para cavar a terra. 
Assim será nossa vida: 
Uma tarde sempre a esquecer 
Uma estrela a se apagar na treva 
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar 
Falar baixo, pisar leve, ver 
A noite dormir em silêncio. 
Não há muito o que dizer: 
Uma canção sobre um berço 
Um verso, talvez de amor 
Uma prece por quem se vai — 
Mas que essa hora não esqueça 
E por ela os nossos corações 
Se deixem, graves e simples. 
Pois para isso fomos feitos: 
Para a esperança no milagre 
Para a participação da poesia 
Para ver a face da morte — 
De repente nunca mais esperaremos... 
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas 
Nascemos, imensamente."




Fotografia de Alexandra Carvalho (2013)




O "Retalhos de Bem-Fica" deseja a todos os seus amigos e leitores, assim como às suas famílias, um feliz Natal.









segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Mercado de Natal de Benfica




(Texto e Imagem de Junta de Freguesia de Benfica - 2013)






"Vem aí o MERCADO DE NATAL! 


Nos próximos dias 12, 13, 14 e 15 de dezembro vamos fazer uma grande festa de Natal no Jardim do Mercado! 

A Junta de Freguesia de Benfica vem convidar toda a população a participar neste evento, que contará com uma Feira de Artesanato, muita animação, música e diversas atrações lúdicas e culturais para toda a família. 


5ª Feira | 12 dezembro

10h/20h Diversões (1) 
17h Parada de Natal Início: Estrada Benfica (Chafariz) 
Fim: Jardim do Mercado
18h Abertura do Mercado de Natal
18h/20h Animação de Rua 
Feira das Trocas (2) 
Casa do Pai Natal 
18h15 Teatro de Sombras 
20h Encerramento 


6ª Feira | 13 dezembro

10h/20h Diversões (1) 
10h Abertura do Mercado de Natal 
10h/20h Pinturas faciais 
Modelagem de balões 
Jogos tradicionais 
Feira das Trocas (2)
Casa do Pai Natal 
10h30 Atuação da Unisben 
20h Animação circense de fogo e Encerramento 


Sábado | 14 dezembro 

9h/22h Diversões (1) 
9h Abertura do Mercado de Natal 
9h/22h Pinturas faciais 
Modelagem de balões 
Jogos tradicionais 
Feira das Trocas (2)
Casa do Pai Natal 
11h00 Actuação Gospel 
14h/16h Atelier Lúdico de Circo 
15h/17h Reciclagem de Materiais: Presentes 
15h Magia
16h30 Espetáculo de Pais das CAF 
17h Orfeão Sport Lisboa Benfica 
17h45 Aula de Zumba 
18h15 Cantor São Tomense 
18h45 Atuação de Banda (3) 
21h Animação circense de fogo 
22h Encerramento 


Domingo | 15 dezembro

9h/17h Diversões (1) 
9h Abertura do Mercado de Natal 
9h/17h Pinturas Faciais 
Modelagem de balões 
Jogos tradicionais 
Feira das Trocas (2) 
Feira de Artesanato 
Casa do Pai Natal 
11h Atelier Expressão Dramática "O Presente sou eu!" 
11h30 Cluedo ao Vivo 
14h30 Atelier de Circo 
17h Encerramento 



(1) Pista de gelo, Carrossel, Comboio, Insufláveis; 
(2) Para participar, trazer um alimento não perecível; 
(3) Banda a confirmar; Workshops: Mensagens de Natal, Enfeites de Natal, Contos de Natal."