sexta-feira, 16 de setembro de 2011

"Jantares com livros, poesia e às vezes música"!






(por Ana Vassalo)





Fotografias de Dulce Negrão (2011)



Jantar da Livraria ULMEIRO (José Antunes Ribeiro e Lúcia Ribeiro) em 03-SET-2011, Restaurante "Campomaiorense", Benfica, Lisboa.
Convidado : Poeta ANTÓNIO FERRA.



A Ulmeiro é "A" mítica Livraria de Benfica, centro de todas as resistências no pré-25 de Abril, e magia nunca perdida ao virar dos dias. Frequentei-a assiduamente, com grupo de amigos, para a compra dos meus/nossos livros, entre os meus 16 e 18 anos (1973-1975).

Há memórias sem fim de um tempo solidário agarradas a este espaço bonito e com personalidade. Muitos, tantos de boa memória, por lá passaram, da casa e de fora dela: José Afonso, Zé Mário Branco, Léo Ferré, entre muitos.

Só espero que perdure por um amanhã sem prazo, apesar dos tempos frios e pragmáticos que se vivem e reduzem a pó todos os "supérfluos", que é aquilo que UM LIVRO ainda representa para as elites dirigentes e que, à custa de políticas deformadas de educação e preços, o vai tornando, Livro, eternamente afastado das Gentes.

Quem não lê não conheceu ainda a variedade multicolor do sonho, a potencialidade do voo. Quem não lê, mais não conhece que versões oficialmente correctas dos factos, convenientemente expurgadas, ou nubladas, de verdade.

A manipulação da mentalidade colectiva é uma arma sem preço nas mãos de quem regula e pretende dominar para poder controlar (e vice-versa). Um povo culto é uma dor de cabeça, pois é...

Importa que há coisas que o tempo não apaga e os homens não destroem. A magia deste espaço intemporal prevalece. Que o diga a noite de trocas bonitas, cantorias, belíssima Poesia, partilha de memórias, amizade que se viveu nesta noite, uma vez mais.

Qualquer que seja o desfecho, e eu anseio por que ele seja feliz, a ULMEIRO será para sempre referência no espaço cultural e histórico de Benfica. E Livro de Contos no imaginário de tantas gerações que ali se revêem, tempo após tempo.




Fotografias de Dulce Negrão (2011)




****



No âmbito da sua actividade cultural, a livraria-alfarrabista "Ulmeiro" tem vindo a dinamizar alguns "Jantares com livros, poesia e às vezes música!", como o Zé Ribeiro gosta de lhes chamar.

Estes simpáticos jantares com livros, autógrafos, leitura de poemas e, por vezes, música, realizam-se num restaurante de Benfica, tendo sempre por convidado/a um autor/a publicado na "Ulmeiro".
No preço do jantar está incluído um livro que, na mesma ocasião, poderá ser autografado pelo autor/a presente.

Para ser informado das datas dos próximos jantares contacte: folioexemplar@gmail.com






1 comentário:

Ana Vassalo disse...

Bom dia à Alexandra Carvalho e bom dia aos restantes amigos seguidores do blog. Venho agradecer, pois claro. A inclusão do meu texto no blog Retalhos de Bem-Fica é algo que me é muito grato, por diversas razões, onde a amizade será seguramente a mais importante, logo seguida do privilégio que sinto por estar associada a um "site" que conseguiu ser muito mais do que uma presença impessoal no éter, ao saber tirar partido de todas as potencialidades que tal lhe propicia. E assim, gravando Benfica no mapa da política, da solidariedade, dos corações.
Por fim, e a propósito ainda do pequeno texto que a memória e a gratidão me pediram para escrever sobre a Ulmeiro, algo carece de correcção, já que, sabemo-lo, os anos que se nos acumulam sem dó vão-nos pregando destas partidas e nada mais nos compete senão corrigir os efeitos passíveis de correcção e seguir adiante. É o caso aqui, pelo que passo a ressalvar que José Mário Branco não foi presença da Ulmeiro, até pela razão maior de estar exilado em Paris, à época. Mas foram outros tantos, da maior relevância, como Adriano Correia de Oliveira, Fausto ou Mário Viegas - e a lista continuaria. Eis, pois, que a verdade é reposta, não sem a ajuda do nosso amigo José Antunes Ribeiro, que muito agradeço.
E aqui me despeço, desejando que o blog Retalhos de Bem-Fica continue a somar sucessos e consiga, sempre mais, afirmar e consolidar o seu lugar de intervenção, que, visivelmente, tanto tem agitado as águas.
Beijo, Xana, e obrigada.