segunda-feira, 12 de abril de 2010

Figuras de Benfica - 6




A Luísa Pereira (do Clube de Patchwork da UNISBEN), que tive o prazer de conhecer muito recentemente, está, actualmente, a ler o "Livro do Desassossego" de Fernando Pessoa e enviou-nos, gentilmente, esta curiosa informação:



Fernando Pessoa visto por Almada Negreiros



"(...) é viajar, e para que serve viajar? Qualquer poente é o poente; não é mister ir vê-lo a Constantinopla. A sensação de libertação, que nasce das viagens? Posso tê-la saindo de Lisboa até Benfica, e tê-la mais intensamente do que quem vá de Lisboa à China, porque se a libertação não está em mim, não está, para mim, em parte alguma. "Qualquer estrada", disse Carlylé, "até esta estrada de Entepfuhl, te leva até ao fim do mundo." Mas a estrada de Entepfuhl, se for seguida toda, e até ao fim, volta a Entepfuhl; de modo que o Entepfuhl, onde já estávamos, é aquele mesmo fim do mundo que íamos a buscar. " **


(...)


"Se eu fora outro, penso, este seria para mim um dia feliz, pois o sentiria sem pensar nele. Concluiria com uma alegria de antecipação o meu trabalho normal - aquele que me é monotonamente anormal todos os dias. Tomaria o carro para Benfica, com amigos combinados. Jantaríamos em pleno fim de sol, entre hortas. A alegria em que estaríamos seria parte da paisagem, e por todos, quantos nos vissem, reconhecida como de ali.
Como, porém, sou eu, gozo um pouco o pouco que é imaginar-me esse outro. Sim, logo ele-eu, sob parreira ou árvore, comerá o dobro do que sei comer, beberá o dobro do que ouso beber, rirá o dobro do que posso pensar em rir. Logo ele, eu agora. Sim, um momento fui outro: vi, vivi, em outrem, essa alegria humilde e humana de existir como um animal em mangas de camisa. Grande dia que me fez sonhar assim! É tudo azul e sublime no alto como o meu sonho efémero de ser caixeiro de praça com saúde em não sei que férias de fim de dia." **


**
Fernando Pessoa, in "Livro do Desassossego"





"Avenida Gomes Pereira no início do século XIX"In "Benfica - A nossa Junta: Instalações, Serviços e Equipamentos",
Edição Especial da Revista "Benfica Viva" - Lisboa: Junta de Freguesia de Benfica, Julho 2005.




Casas Lisboetas onde Fernando Pessoa morou




• Largo de S. Carlos, número 4, 4 esquerdo. Desde o nascimento (1888) até 1893.
• Rua de S. Marçal, número 104, 3 andar. De 1893 a 1896. Em Janeiro de 1896 parte com a mãe para a África do Sul.
• Rua de Pedrouços (provavelmente uma das transversais, número desconhecido). Em 1901, durante férias de Verão em Lisboa. Com a mãe, o padrasto e os irmãos. De novo em 1905, quando regressa sozinho da África do Sul e vai morar com uma tia-avó.
• 1902, altura em que Avenida D. Carlos, número 109, 3 direito. Entre o final de 1901 e meados de regressa, com a família, à África do Sul.
• Rua de S. Bento, número 19, 2 esquerdo. Em 1905. Com a Tia Anica (Ana Luiza Pinheiro Nogueira, irmã da mãe).
• Calçada da Estrela, número 100, 1 andar. De Outubro a Dezembro de 1906. Com a mãe, o padrasto e os irmãos.
• Rua da Bela Vista à Lapa, número 17, 1 andar. Em 1906; de novo a partir de Janeiro de 1907 e ainda, temporariamente, em 1910. Com a avó paterna (Dionísia Estrella Seabra) e duas tias-avós (Rita Xavier Pinheiro e Maria Xavier Pinheiro da Cunha).
• Rua da Glória, número 4, r/c. Entre o final de 1907 e 1908 (?). Próximo da empresa Ibis (tipografia e editora), por si fundada, cuja existência é breve.
• Largo do Carmo, número 18, 1 esquerdo. Entre 1908 (?) e 1912. Num quarto alugado.
• Rua Passos Manuel, número 24, 3 esquerdo. Entre 1912 e 1914. Na nova casa da Tia Anica.
• Rua Pascoal de Melo, número 119, 3 direito. De 1914 a 1915. Com a Tia Anica.
• Rua da D. Estefânia, número 127, r/c direito. Entre 1915 e 1916. Em quarto alugado a uma engomadeira.
• Rua Antero de Quental, número desconhecido. Em 1916.
• Rua Almirante Barroso, número 12, sobreloja. Em 1916. Na zona anexa a uma leitaria.
• Rua Cidade da Horta, número 48, 1 esquerdo (edifício já demolido). Entre 1916 e 1917. Numa "parte da casa" alugada a um conhecido.
• Rua Bernardim Ribeiro, número 11, 1 andar. Entre 1917 e 1918.
• Rua de Santo António dos Capuchos, número desconhecido. Em 1918.
• Alto da Boavista (Benfica). Em 1919.
• Avenida Gomes Pereira, número desconhecido. Entre 1919 e 1920.

• Rua Coelho da Rocha, número 16, 1 direito. Entre 1920 e 1935.





4 comentários:

LuLu disse...

A minha mãe é o máximo! Depois disto, dei-lhe a ideia de que era interessante ter umas fotos dos locais onde morou.. a ver se pega :)

Alexa disse...

LuLu: antes de mais, seja muito bem-vinda aqui ao "Retalhos de Bem-Fica"!
E, já agora, parabéns por ser filha de quem é :) Gostei muito de conhecer a sua mãe, outro dia, por via dos tecidos para o patchwork ;)

Gostei muito da ideia que avançou à sua mãe, sobre os locais onde ela morou (esperemos que, maioritariamente, tenham sido em Benfica :)

Um abraço

Mario Pires disse...

Gostava tanto de ter esta fotografia bem impressa, qual será a origem ?

Alexa disse...

Mário: retirei do site da Casa Fernando Pessoa. Penso que talvez lá tenham para venda.

Abraço