sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Afinal havia outra!








O assunto andava a fazer-me alguma espécie, desde que vira o edital de vistoria afixado na Vila Ventura e nenhum papel na Vila Ana.








Hoje, ao passar por ali, reparei que o papel (re)aparecera colocado na porta de madeira (que o morador do último andar, da janela oeil de boeuf pintara de branco).





A ver vamos, se ambas as vistorias se realizarão ou não, mesmo que os ocupantes da Vila Ana e da Vila Ventura não se encontrem no local!...







Enquanto por ali ando a tirar fotografias, passa um casal de idade avançada e aspecto bastante humilde. A senhora de passo mais ligeiro, pega-me pela manga do casaco para me chamar e pergunta: - "Desculpe lá, a menina sabe o que isto era? Quem aqui morava?"
Antes que tivesse sequer tempo de lhe responder, ela continua: - "Será que era um hospital?".

Em traços muito largos conto-lhes a estória da Vila Ana e da Vila Ventura, de como se encontram inscritas na listagem de património de interesse municipal, apesar dos seus proprietários não estarem sequer interessados nelas e as votarem ao abandono.

- "Ah, então vivia aqui gente!" - responde-me a senhora - "E devia ser gente muito rica, porque as casas são bonitas! É pena que não as arranjem, para fazer qualquer coisa... já viu como as alvenarias ainda estão tão boas e não apodreceram!" - aponta a senhora para as paredes, com a de conhecedora na matéria.

Despedimo-nos e, enquanto o casal prossegue o seu passeio matinal, retomo a minha sessão fotográfica. Passados alguns segundos sou, novamente, interrompida pela senhora, que regressa atrás apenas para me dizer:
- "Oh menina, mas já viu... deve ainda aqui morar gente. Então não vê ali aquele vasinho na janela, tão bonito!" - diz, apontando para a imaculada janela do 1º Esq. da Vila Ventura, onde outrora viveu alguém que ficámos a conhecer.

Sorriu-lhe e assinto com a cabeça, dizendo-lhe que sim, talvez, ainda ali viva de facto alguém (apesar de saber, de antemão, que a única senhora que ainda habitava a Vila Ventura fora recentemente para um lar)...
Por vezes, a esperança é a última a morrer!...









10 comentários:

Dulce disse...

Por acaso sempre me interroguei o que seria aquela casa. Pelos traços, parecia-me que seria linda em tempos idos. É uma pena neste País deixar-se tudo ao abandono! Recuperada poderia ser muita coisa, oxalá consigam.
Bjs
Dulce

Alexa disse...

Dulce: de facto, pelo que o Sr. João António Lamas me contou ( na 1ª entrevista que fiz para o projecto "Gente de Benfica"), a Vila Ana e a Vila Ventura viveram tempos áureos, no século passado. Agora estão votadas ao abandono... e os seus propietários estão, certamente, à espera que entrem em derrocada, para ganharem algum dinheiro com a construção de mais mamarrachos na Estrada de Benfica.
É, de facto, pena que não se aproveitem estes edifícios antigos para aí constituir uma creche e um centro cultural comunitário.
Vamos ver!... A esperança é a última a morrer ;)
Bjs

Anónimo disse...

Em tempos que já lá vão os meus antepassados disseram-me que a Vila Ana e Vila Ventura foram o Colégio Valsassina!

Alexa disse...

Caro Anónimo: desconhecia essa informação, da qual, se me permite, duvido um pouco.

De facto, aquando da entrevista que realizámos com o Sr. Lamas - que residiu em criança na Vila Ventura - para a rubrica "Gente de Benfica", nunca nos falou de tal facto.

Por outro lado, se consultar o website do Colégio Valsassina, na parte referente à sua história:

http://new.cvalsassina.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=24&Itemid=30

Vem, de facto, mencionado que a Escola transferiu-se para Benfica, nessa altura um bairro periférico de Lisboa, numa moradia independente e já com cursos regulares, Primário e Secundário. Chamava-se então à Escola, Escola Moderna.
Mas a foto que encabeça do lado esquerdo deste texto, é a de outro edifício de Benfica, que não a Vila Ana ou a Vila Ventura (talvez um edifício que ficasse perto destas duas e daí a confusão dos seus antepassados).

Um abraço

Pedro Nolasco disse...

Por aquilo que sei, o meu pai foi viver para Portugal tinha 11 anos ( vindo de Macau)e estudou e mais tarde foi professor no colegio Valsassina, este colegio teve o seu tempo em Benfica, chamado na altura Escola ou colegio Moderno, e, segundo me lembro esteve situado na grão vasco, onde depois foi o colegio Lusitano. Infelismente nao tenho maneira de confirmar, mas isto foi a historia contada quando eu era miudo ( anos 60)
Espero que seja assim.
Um abraço

Tiago disse...

Parabéns pelo seu blogue. Já agora gostaria de saber se posso-me juntar à causa tendo menos de 18 anos. A minha familia tem uma loja no centro comercial das Pedralvas. Não sei se sabe qual é... Queria saber se podem lá deixar um papel para juntar as assinaturas para ajudar na causa. Gostaria que me respondesse. Cumprimentos.

Alexa disse...

Bom dia Tiago!

Antes de mais, seja muito bem vindo aqui ao "Retalhos" :)

Pode juntar-se sim à nossa causa e Movimento de Cidadãos, mesmo tendo menos de 18 anos.
Esta é uma Causa que nos une a todos pela defesa do nosso património, pelo que a idade não interessa.

De facto, não sei qual é a loja da sua família no Centro Comercial das Pedralvas, pois não me forneceu mais dados.
Mas teremos todo o gosto em lá deixar-vos um formulário para a recolha de assinaturas para a petição + folheto de divulgação da mesma.

Nesse sentido, e como o seu perfil aqui no Google não se encontra disponível (e não consegui ver qual o seu endereço de e-mail), pedia-lhe que me enviasse para palavraseimagens@gmail.com o nome da loja, horário de funcionamento e quando poderei por lá passar durante o fim-de-semana para vos deixar os documentos.

Muito obrigada pela sua atenção e pela disponibilidade para nos ajudar!

Abraço

Tiago disse...

Queria também pedir-lhe um grande favor. Não sei se já alguma vez entrou no centro comercial das Pedralvas. Gostaria que fizesse um artigo sobre ele visto já ter mais de 20 anos. Obrigado

Alexa disse...

Tiago: moro desde que nasci, há 34 anos, em Benfica... e conheci muito bem o Centro Comercial das Pedralvas, apesar de ter deixado de o frequentar agora.

Fica, desde já, aqui prometido um artigo sobre o Centro Comercial, com o Tiago como cicerone.
O que acha? :)

Tiago disse...

Acho perfeito!
Muito obrigado.